Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Dinheiro de volta? Argentina tem câmbio mais barato para turistas que utilizam cartão no país

    Cotação diferenciada para quem visita o país permite devolução de parte do valor gasto na modalidade

    Dólar MEP, ou "dólar para turista", é usado como câmbio de conversão para cartões emitidos no exterior.
    Dólar MEP, ou "dólar para turista", é usado como câmbio de conversão para cartões emitidos no exterior. REUTERS/Rick Wilking

    Amanda Sampaioda CNN

    São Paulo

    Turistas brasileiros que fazem compras na Argentina usando cartão de crédito, débito ou pré-pagos têm acesso a um câmbio mais barato do que o utilizado na cotação oficial.

    Isso acontece porque, desde o fim de 2022, o governo argentino instituiu o chamado dólar MEP, ou “dólar para turista”, para ser usado como câmbio de conversão para cartões emitidos no exterior.

    Essa cotação é mais baixa que a oficial — isso significa que com US$ 1 é possível comprar mais pesos argentinos.

    Para se ter ideia, na cotação oficial da última sexta-feira (6), US$ 1 dólar equivalia a 347 pesos argentinos. Já no dólar MEP, US$ 1 compraria 822,47 pesos. Ou seja, ao fazer compras com a moeda, o turista ganha poder de compra na Argentina.

    Esse tipo de cotação só é válida para a utilização em meios eletrônicos, ou seja, não é possível encontrar dólar MEP em casas de câmbio, por exemplo.

    Como isso funciona?

    O dólar MEP é apenas um dos vários tipos de câmbio existentes na Argentina. Confira alguns deles na galeria:

    No dólar MEP, o consumidor tem acesso à cotação ao utilizar na Argentina cartões de débito, crédito e pré-pagos internacionais de bandeiras que oferecem o benefício.

    Na prática, o recurso funciona assim: suponha que você viaje para a Argentina e faça uma compra utilizando o cartão de crédito ou débito. No momento da compra, será cobrada a cotação oficial do dia.

    Porém, nos dias subsequentes, a operadora fará um estorno na fatura do titular do cartão com a diferença entre a cotação oficial utilizada no dia compra e a conversão próxima do dólar MEP daquela mesma data, descontando um duplo spread (tarifa da instituição para a operação de câmbio).

    “O benefício é direto, mas não instantâneo. Alguns dias após sua compra, você receberá o reembolso da diferença entre a conversão para o dólar oficial e o valor mais conveniente”, explica a Mastercard.

    “O tempo do reembolso varia conforme a entidade emissora do cartão. É possível que o consumidor receba o reembolso no prazo de 72h”, acrescenta.

    A empresa destaca que o recurso é ativado automaticamente quando o turista utiliza o cartão no país, não sendo necessário nenhum tipo de aviso prévio à operadora.

    A solução se aplica aos cartões Mastercard emitidos fora da Argentina para compras realizadas no país, em todos os estabelecimentos que aceitem a bandeira.

    A Visa explica que o câmbio utilizado para o benefício segue a regulamentação do Banco Central argentino.

    “Esta mudança passou a valer no dia 14 de dezembro de 2022 e é um tipo de câmbio diferente do oficial, mais benéfico para os turistas, porém, assim como o câmbio oficial, se encontra sujeito à flutuação do mercado”, diz a empresa.

    O dólar MEP foi criado pelo governo argentino para aumentar a captação de recursos em moeda estrangeira, além de diminuir a circulação do dólar do mercado paralelo — o famoso “dólar blue” — no país.

    Quem oferece a modalidade?

    Cartões de crédito, débito e pré-pagos de bandeiras como Visa, Master e Elo (em parceria com a Discover) emitidos fora do território argentino se enquadram no benefício.

    Além disso, pagamentos no débito, geralmente oferecido por contas digitais globais, como Nomad, Wise, Inter, entre outras (consulte seu banco para mais informações), também oferecem o benefício.

    Nesses casos, porém, ao contrário cartão de crédito de banco tradicional, é necessário passar o saldo de forma manual para a conta em conta para dólar.

    Veja também: Milei conquista eleitor argentino com ataques a Lula?