Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    “Dinheiro esquecido”: saiba como consultar o sistema do BC e fazer o resgate

    Estima-se que há cerca de R$ 8 bilhões de dinheiro esquecido, como recursos de contas-corrente ou poupanças encerradas com saldo disponível

    Estima-se que há cerca de R$ 8 bilhões de dinheiro esquecido
    Estima-se que há cerca de R$ 8 bilhões de dinheiro esquecido Marcello Casal Jr./Agência Brasil

    Pedro Zanattado CNN Brasil Business

    Em São Paulo

    A nova plataforma do Banco Central (BC) para consultar recursos esquecidos em bancos e instituições financeiras voltou a funcionar na segunda-feira (14). Ao longo do primeiro dia disponível, o novo site do Sistema Valores a Receber (SVR) registrou mais de 36 milhões de consultas realizadas.

    Estima-se que há cerca de R$ 8 bilhões de dinheiro esquecido, como recursos de contas-corrente ou poupanças encerradas com saldo disponível.

    Para saber se você tem algum dinheiro esquecido, basta usar o CPF ou CNPJ e a data de nascimento ou abertura da empresa. O sistema indicará se você possui esse saldo ou não. Para quem tem valores pendentes, o sistema ainda não aponta qual o montante. Mas o BC já divulgou o cronograma para fazer o pedido de resgate. Para aqueles que não têm valores a receber, aparece uma mensagem para refazer a consulta no dia 2 de maio.

    Saiba mais sobre o Sistema Valores a Receber e como funciona:

    O que é o Sistema Valores a Receber (SVR)?

    A plataforma possibilita que o público consulte valores “esquecidos” em bancos ou instituições financeiras e realize o resgate do montante nas datas estipuladas pelo Banco Central (BC).

    As consultas podem ser feitas no endereço valoresareceber.bcb.gov.br, é possível consultar recursos que estavam parados, seja em contas-corrente que foram encerradas ou na poupança. E vale para contas de pessoas físicas e jurídicas.

    De onde vem os valores?

    O Banco Central considera as seguintes fontes para o resgate de valores:

    • Contas-correntes ou poupanças encerradas e não sacadas;
    • Cobranças indevidas de tarifas ou de obrigações de crédito previstas em termo de compromisso assinado com o BC;
    • Cotas de capital e rateio de sobras líquidas de associados de cooperativas de crédito;
    • Grupos de consórcio extintos.

    Nas próximas fases, serão incluídas as seguintes:

    • Tarifas cobradas indevidamente, não previstas em termos de compromisso assinados pelo banco com o BC
    • Parcelas ou obrigações relativas a operações de crédito cobradas indevidamente, não previstas em termos assinados pelo banco com o BC
    • Contas de pagamento pré-paga e pós-paga encerradas com saldo disponível
    • Contas de registro mantidas por sociedades corretoras de títulos e valores mobiliários e por sociedades distribuidoras de títulos e valores mobiliários para registro de operações de clientes encerradas com saldo disponível
    • Entidades em liquidação extrajudicial
    • Fundo Garantidor de Crédito (FGC)
    • Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito (FGCoop)

    Como fazer a consulta?

    Para realizar a consulta, os usuários devem informar o CPF, no caso de pessoas físicas, ou o CNPJ, em caso das empresas. Também será necessário informar a data de nascimento (para PF) ou de criação da empresa (para PJ).

    Aqueles que tiverem valores a receber no momento da consulta podem confirmar o montante e solicitar a sua transferência a partir do dia 7 de março.

    Caso tenha valores a receber, o usuário conseguirá saber a data e o período para consultar e solicitar o resgate do saldo existente.

    As datas serão agendadas conforme o ano de nascimento ou da criação da empresa, de acordo com o calendário abaixo:

    Como funciona a repescagem?

    Se não retornar ao site na data e período informado para fazer o resgate, será necessário voltar no sábado da repescagem, de acordo com o calendário acima. A repescagem vai funcionar durante todo o dia, das 4h às 24h, informou o BC.

    Se o usuário também perder o sábado de repescagem, poderá consultar ou solicitar o resgate do saldo existente a partir de 28 de março.

    O que acontece se perder as datas?

    Em nota, o BC informou que o cidadão não deve se preocupar se perder a data por algum motivo. Ele poderá retornar ao site a qualquer momento e receber uma nova data de agendamento, o usuário nunca perde o direito sobre os valores em seu nome.

    As instituições financeiras guardarão esses recursos pelo tempo que for necessário, esperando até que o cidadão solicite o resgate.

    Como resgatar os valores?

    Primeiro, o usuário deve se cadastrar no site Gov.br. O cadastro é feito no site ou pelo aplicativo Gov.br.

    A conta Gov.br tem três níveis de segurança e acesso: bronze, prata e ouro. Será necessário ter nível prata ou ouro para consultar e solicitar os recursos.

    Depois, o cliente deve voltar ao site valoresareceber.bcb.gov.br na data e período informados e use seu login Gov.br para acessar o sistema, consultar e solicitar o resgate do saldo existente.

    Qual o prazo para o depósito do valor solicitado?

    O dinheiro será depositado em até 12 dias úteis após a solicitação de resgate com indicação da chave Pix.

    Posso consultar por meio do meu banco ou outros sites?

    Não. O Banco Central esclarece que o único site para consulta e solicitação desses valores é o valoresareceber.bcb.gov.br. Além disso, o banco diz que não envia links e nem entra em contato com o público para tratar sobre valores a receber ou para confirmar dados pessoais.

    Desta forma, o BC reitera para não clicar em links suspeitos e para que os usuários não façam nenhum tipo de pagamento para acessar a plataforma. Por fim, a instituição deixa claro que ninguém está autorizado a entrar em contato com clientes em nome do banco ou do Sistema Valores a Receber (SVR).

    Por que o BC pede para fazer nova consulta em maio?

    O BC informou que deve realizar novas fases da consulta, mas não confirmou uma data para o início. A instituição ainda deve avaliar o calendário para próximas etapas.

    No site da plataforma, caso o usuário não tenha valores para resgatar, uma mensagem informa para que ele retorne no dia 2 de maio.

    Atualmente você não tem valores a receber. Mas você poderá fazer nova consulta a partir de 02/05/2022, para saber se terá valores a receber no novo período de consulta“, diz a mensagem.

    Questionado sobre a data, o banco informou que no dia 2 de maio o cidadão poderá consultar se foram inseridas novas informações para seu CPF/CNPJ na base de dados do sistema referente à primeira fase.

    Qual o motivo de novas fases?

    De acordo com o BC, as informações são provenientes de diversas bases de dados das instituições financeiras. A construção em fases visa garantir a segurança, a integridade e o funcionamento do sistema, disse o BC.