Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Economia da Austrália tem seu pior trimestre e entra em recessão

    É o 2º trimestre consecutivo de quedas – o PIB encolheu 0,3% no 1º tri – e a maior queda desde 1959

    Restaurante próximo ao Sydney Opera House, um dos principais pontos turísticos da Austrália, fica vazio em meio a pandemia do novo coronavírus
    Restaurante próximo ao Sydney Opera House, um dos principais pontos turísticos da Austrália, fica vazio em meio a pandemia do novo coronavírus Foto: Loren Elliott - 18.mar.2020/ Reuters

    Laura He e Angus Watson,

    do CNN Business

    A pandemia de coronavírus empurrou oficialmente a Austrália para sua primeira recessão em quase três décadas. O PIB do país contraiu 7% no segundo trimestre em comparação com o anterior, disse o Australian Bureau of Statistics (ABS) na quarta-feira.

    É o segundo trimestre consecutivo de quedas para a Austrália – o PIB encolheu 0,3% no primeiro trimestre – e a maior queda desde que os registros começaram em 1959. Também foi pior do que a queda estimada de 5,9% esperada em uma pesquisa de analistas da Refinitiv.

    Leia também:
    PIB menos pior: veja o desempenho da economia do Brasil comparada ao mundo
    Entenda o que é recessão técnica e relembre o histórico de crises no Brasil
    Auxílio e reabertura seguram queda do PIB, mas conta para depois fica cara

    As autoridades atribuíram a queda à pandemia e às medidas de paralisação que o país tomou para contê-la, embora a Austrália já tivesse lidando com os problemas antes disso. O país foi devastado no início deste ano pelos piores incêndios florestais em décadas, que prejudicaram os gastos do consumidor e o turismo, de acordo com o Australian Tourism Export Council.

    No trimestre mais recente, os fechamentos de hotéis, restaurantes e outros serviços devido à pandemia claramente tiveram impacto na economia: o consumo das famílias despencou mais de 12%, enquanto os gastos com serviços caíram quase 18%.

    “Fizemos todo o possível para amortecer o golpe da Covid-19 para a comunidade australiana”, disse o secretário do Tesouro Josh Frydenberg em Canberra na quarta-feira. “Nossa prioridade é e continuará sendo salvar vidas e garantir que o sistema de saúde da Austrália tenha a capacidade de testar, rastrear e tratar os casos de coronavírus.”

    Provavelmente o pior ainda está por vir. O Reserve Bank of Australia disse que o ritmo de recuperação após o trimestre mais recente é incerto, dependendo de quanto tempo a pandemia persistir. E o estado de Victoria – o segundo mais populoso da Austrália e lar da cidade de Melbourne – agora está enfrentando as mais severas restrições sentidas pelos australianos durante a pandemia, após uma segunda onda brutal do vírus.

    “Isso é algo que pesará muito nos números do trimestre de setembro”, acrescentou Frydenberg.

    A recessão é uma virada notável para a economia da Austrália, que desfrutou de um crescimento econômico de 29 anos. A onda foi parcialmente alimentada pelo apetite voraz da China por commodities, como minério de ferro e carvão, enquanto o país se tornava a segunda maior economia do mundo. (Notavelmente, essa relação piorou recentemente: as tensões entre a China e a Austrália se espalharam para a carne bovina, mel e vinho, depois que o último país pediu uma investigação sobre as origens da pandemia.)

    Além disso, a crise vai manter a pressão sobre o Banco da Reserva da Austrália para considerar medidas adicionais para manter a economia à tona, de acordo com Marcel Thieliant, economista sênior da Austrália e Nova Zelândia para Economia de Capital. O banco central já reduziu sua taxa de juros à baixa de todos os tempos para ajudar as empresas e famílias a resistir à crise.

    A pandemia afetou muitas potências mundiais. Todas as principais economias desenvolvidas – Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e Estados Unidos – viram suas economias encolherem drasticamente no primeiro semestre de 2020.

    (Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).

    Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook