Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Elon Musk diz que é “burrice” chamar bilionários de maus

    Em enquete feita no twitter, três quartos dos 2,8 milhões de entrevistados disseram ter menos confiança nos políticos do que em bilionários

    Ramishah Marufdo CNN Business

    Elon Musk, o homem mais rico do mundo, disse no Twitter na última quinta-feira (26) que os bilionários não são os bandidos.

    Musk twittou que é “moralmente errado e estúpido” usar a palavra bilionário como pejorativo se essa pessoa estiver usando sua riqueza para criar produtos que fazem “milhões de pessoas felizes”.

    Ele acrescentou que, se pudesse, também se livraria de deduções de caridade e ações judiciais coletivas.

    Musk estava respondendo a um tweet que dizia: “Sinto que os bilionários são mais benignos quando tentam ganhar dinheiro e mais nefastos quando gastam tentando ‘fazer o bem’”.

    Musk fez uma enquete no Twitter, perguntando a seus 95 milhões de seguidores em quem eles confiam menos: políticos ou bilionários. Até o meio-dia de sexta-feira, três quartos dos 2,8 milhões de entrevistados disseram ter menos confiança nos políticos.

    Ele então marcou a deputada Alexandria Ocasio-Cortez, que recentemente disse à Bloomberg que queria substituir seu Tesla por um veículo elétrico (EV) feito por uma empresa que apoia a sindicalização. Musk desafiou a deputada democrata a fazer a mesma pesquisa com seus próprios seguidores. Musk se opôs amplamente à sindicalização da Tesla no passado.

    “Um sindicato é apenas mais uma corporação”, disse Musk em outro tweet na quinta-feira, que ganhou 4.000 curtidas até o meio-dia de sexta-feira. “Muito melhor para as empresas competirem por suas habilidades, para que você tenha o máximo de opcionalidade.”

    Os tweets pró-bilionários de Musk chegaram quando o Fórum Econômico Mundial em Davos chega ao fim. A reunião anual de milionários e bilionários tem sido rotineiramente recebida com críticas sobre o fracasso das pessoas mais ricas do mundo em doar quantias significativas para resolver os maiores problemas do mundo – já que populações vulneráveis ​​em todo o mundo devem enfrentar preços crescentes de energia, condições climáticas extremas e aumento dos preços dos alimentos este ano.

    Gabriela Bucher, diretora executiva da Oxfam International, disse ao CNN Business em Davos esta semana que os governos deveriam tributar a riqueza das pessoas mais ricas do mundo.

    Esta não é a primeira vez que Musk opina sobre como os bilionários deveriam gastar seu dinheiro. Na segunda-feira, David Beasley, chefe do Programa Mundial de Alimentos da ONU, deu à Associated Press uma atualização sobre sua briga com o bilionário, que foi desencadeada quando ele disse em uma entrevista à CNN em 2021 que os bilionários devem se esforçar para combater a fome no mundo.

    Beasley sugeriu que US$ 6 bilhões, ou 2% do patrimônio líquido de Musk na época, poderiam ajudar a resolver a crise.

    “Musk investiu US$ 6 bilhões em uma fundação. Mas todos pensaram que isso veio até nós, mas ainda não recebemos nada. Então, estou esperançoso”, disse Beasley à Associated Press em Davos.

    Musk então respondeu a Beasley, twittando que venderia ações da Tesla “agora mesmo” se o programa de alimentos pudesse detalhar como US$ 6 bilhões resolveriam a fome no mundo. Beasley então respondeu com um “resumo executivo” de 1.000 palavras que mapeou como a ONU poderia utilizar o dinheiro para alimentar mais de 40 milhões de pessoas em 43 países.

    O PMA não recebeu financiamento de Musk. Embora Beasley tenha pedido ajuda diretamente a Musk ao falar com a Associated Press, ele disse que continua esperançoso.
    “Eu não sei quanto vai demorar”, disse Beasley. “Estamos tentando todos os ângulos, você sabe: Elon, precisamos de sua ajuda, irmão.”

    Em novembro passado, Musk doou cerca de US$ 5,7 bilhões em ações da Tesla para uma instituição de caridade não revelada, uma doação que o tornou o segundo maior doador dos EUA em 2021, atrás de Bill Gates e Melinda French Gates.

    — Julia Horowitz e Jackie Wattles, da CNN Business, contribuíram para este texto.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original