Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Empresário por trás do BTS rebate acusações de monopólio da indústria musical coreana

    Acusações ocorreram após Bang Si-Hyuk propor adquirir maior participação na SM, que é conhecida por representar artistas de sucesso

    No mês passado, a HYBE anunciou que se tornaria a maior acionista da SM
    No mês passado, a HYBE anunciou que se tornaria a maior acionista da SM Getty Images for The Recording A

    Michelle TohRichard Questdo CNN Business

    O cérebro bilionário por trás de algumas das maiores estrelas do K-pop do mundo está rebatendo as acusações de que ele está tentando monopolizar a indústria musical coreana.

    Bang Si-Hyuk, presidente da HYBE, a agência de gerenciamento por trás de bandas como BTS e NewJeans, diz que “muita desinformação” obscureceu a oferta de sua empresa para aumentar sua participação na SM Entertainment.

    “Não seria correto dizer que estamos tentando dominar toda a indústria”, disse Bang à CNN em uma entrevista exclusiva em Seul.

    Ele estava respondendo a uma reação provocada pela recente proposta de sua empresa para adquirir uma participação maior na SM, que é conhecida por representar artistas de sucesso como NCT 127, EXO, BoA e Girls’ Generation.

    No mês passado, a HYBE anunciou que se tornaria a maior acionista da SM ao adquirir uma participação de aproximadamente 15% na empresa por 422,8 bilhões de wons coreanos (US$ 334,5 milhões) diretamente do lendário fundador da agência, Lee Soo-man, que vinha lutando contra a administração de sua empresa em várias frentes.

    A HYBE disse mais tarde que tentaria aumentar sua participação geral para 40%, dando início a uma chocante briga pública com a liderança da SM. A confusão corporativa entre os titãs do K-pop dominou as manchetes na Coreia do Sul.

    No mês passado, o diretor financeiro Cheol Hyuk Jang lançou um vídeo de 15 minutos no YouTube, intitulado “A razão pela qual a SM é contra a aquisição hostil da HYBE”.

    Jang argumentou que o acordo prejudicaria o desempenho geral das ações da empresa, bem como os interesses de pequenos acionistas.

    Bang rejeitou essa alegação, dizendo à CNN: “Acho que é propagandístico chamá-lo de acordo hostil. Em vez disso, acho que é um problema sério que a administração queira administrar uma empresa como deseja, sem um acionista majoritário.

    Batalha amarga

    Bang disse que os críticos do movimento da HYBE na SM não estavam levando em consideração o escopo completo e “muitos desdobramentos diferentes da indústria”, como vendas de música digital, shows e mercadorias.

    “Mesmo através de agências de compra, com todos os CDs vendidos na Coréia, de SM e HYBE combinados, é muito difícil para nós monopolizar o mercado”, acrescentou.

    A HYBE concordou em comprar sua participação inicial no mês passado “com o consentimento do principal acionista”, observou Bang, referindo-se a Lee, um produtor musical que é amplamente referido na Coreia do Sul como “o padrinho do K-pop”.

    Mas em uma declaração contundente à CNN, a SM acusou Lee de “prejudicar o valor do acionista” ao “fazer propostas aos acionistas em conjunto” com a HYBE.

    A SM também acusou Bang de “distorcer” o significado de uma aquisição hostil.

    “M&A hostil refere-se a fusões e aquisições de empresas realizadas sem o consentimento do conselho de administração”, disse a empresa. “Além disso, fusões e aquisições hostis geralmente assumem a forma de uma oferta pública ou disputa por procuração, que é exatamente o que a HYBE está tentando hoje.”

    Ganhando controle?

    A SM também reiterou sua visão de que, apesar das garantias de Bang, a HYBE estava tentando forjar um monopólio.

    “Quando as duas empresas forem combinadas, será criado um grupo monopolista e oligopolista de empresas que representam aproximadamente 66% das vendas totais do mercado”, disse à CNN.

    Em breve, isso pode se tornar um ponto discutível.

    Bokyung Suh, um analista de internet e mídia da Coreia em Bernstein, disse acreditar que a tentativa da HYBE de aumentar sua participação na SM, feita por meio de uma oferta pública a investidores institucionais e de varejo existentes, falhou.

    As ações da SM fecharam na quarta-feira a um preço mais alto do que HYBE havia oferecido aos investidores, sugerindo que este último “falhou em adquirir” a participação adicional de 25%, disse ele à CNN.

    A oferta foi de 120.000 wons coreanos (US$ 92) por ação e terminou na quarta-feira. Os resultados oficiais são esperados na próxima semana.

    A HYBE disse que todo o processo será concluído em 6 de março, assim que os pagamentos dos investidores forem feitos. A empresa anunciaria o resultado e os próximos passos, disse à CNN na sexta-feira.

    Bang parece já ter ignorado o resultado da oferta pública antes mesmo de terminar.

    “Não acho que importe se podemos ficar com 40% na questão pendente”, disse ele na entrevista, gravada na terça-feira. “Acho que a [próxima] assembleia geral de acionistas é a mais importante. Só quando lá conseguirmos o apoio é que podemos formar a diretoria que queremos”.

    A assembleia geral está marcada para 31 de março.

    A batalha financeira se desenrola em um momento importante para o setor.

    Embora o K-pop seja geralmente visto como um fenômeno em alta – e uma forte oportunidade de negócios – em todo o mundo, o gênero “não é tão quente no mercado quanto você pode imaginar”, disse Bang.

    “Globalmente, não está ocupando muito do mercado. Por outro lado, a música latina e os afrobeats estão crescendo muito rapidamente. Então, estando onde estamos, é mais urgente aumentar a exposição.”

    Bang disse que essa era a razão pela qual ele estava se interessando mais por “gravadoras e empresas de gerenciamento de música na América, para poder construir a infraestrutura”.

    Em 2021, a HYBE adquiriu a Ithaca Holdings, lar dos principais artistas globais como Ariana Grande, Justin Bieber e Demi Lovato.

    No mês passado, anunciou outro grande acordo nos Estados Unidos para adquirir o proprietário da Quality Control, uma gravadora de hip-hop que representa artistas populares como Migos e Lil Yachty.

    Questionado se ele estava preocupado com a popularidade do K-pop eventualmente fracassando, Bang disse que sim.

    “Essa é a minha grande preocupação. De fato, olhando para os nossos indicadores de exportação e crescimento contínuo, a desaceleração do crescimento é muito clara”, observou.

    O executivo disse esperar que o atraso seja “temporário”, causado pelo recente início do serviço militar na Coreia do Sul para membros de seu famoso grupo, BTS.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original