Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Entenda por que os EUA aguardam dados de inflação de olho nos chamados custos “supercore”

    De acordo com Jerome Powell, presidente do banco central dos Estados Unidos, inflação "supercore" pode ser a categoria mais importante para entender a evolução futura do núcleo de aumento de preços no país; entenda o que é

    Economistas da Casa Branca destacaram na semana passada uma estatística de crescimento salarial que sugere que a inflação pode não ser tão forte quanto o Fed acredita
    Economistas da Casa Branca destacaram na semana passada uma estatística de crescimento salarial que sugere que a inflação pode não ser tão forte quanto o Fed acredita Pexels

    Christine Romansda CNN*

    Se “transitório” foi a palavra da moda para definir a inflação em 2021, este ano é “supercore”.

    Autoridades e economistas do Federal Reserve foram responsabilizados por descartar a inflação como temporária no início da pandemia, então agora eles estão fatiando e dividindo os dados da inflação de maneiras diferentes. O novo termo favorito: inflação “supercore”.

    A inflação “supercore” é um termo técnico em inglês e refere-se aos preços que sobem quando os trabalhadores recebem mais por seus serviços. Ou seja, não é um aumento de preços causado por aumento do custo de produção, como matérias-primas mais caras, ou por falta de algum item, mas sim, porque algumas atividades estão pagando mais a quem as desempenha. Em português, pode ser traduzida como “supercrítica”.

    Pense em cortes de cabelo, trabalho elétrico e jardinagem. Esses preços são tipicamente menos voláteis do que alimentos e energia e podem indicar melhor a direção dos preços na economia dos EUA.

    Os serviços essenciais que excluem habitação “podem ser a categoria mais importante para entender a evolução futura do núcleo da inflação”, disse recentemente o presidente do Fed, Jerome Powell.

    Isso é um problema: os preços “supercore” permaneceram teimosamente altos nos últimos anos.

    Ao longo do ano passado, uma sopa de letrinhas de índices econômicos instáveis tornaram-se nomes familiares à medida que as famílias americanas sofriam com a pior inflação em 40 anos: CPI (Índice de Preços ao Consumidor), PPI (Índice de Preços ao Produtor), PCE (Despesas de Consumo Pessoal e ECI (Índice de Custo do Emprego).

    Cada um desses relatórios mostrou como os preços dos alimentos, combustível e habitação subiram muito mais rápido do que os salários na maior parte do ano passado, impulsionados pela enorme demanda do consumidor, juntamente com os empecilhos na cadeia de suprimentos e a guerra na Ucrânia.

    O mais popular dos medidores mensais de inflação, o CPI, será divulgado nesta terça-feira (14). Espera-se que o CPI de janeiro tenha moderado para 6,2%, abaixo da taxa de 6,5% em dezembro e muito abaixo do pico de verão de 9,1%. Prevê-se que o núcleo da inflação desacelere para 5,5%, de 5,7% em dezembro.

    Em conjunto, a série de dados de inflação mostra preços ainda desconfortavelmente altos, mas caminhando na direção certa.

    Mas os economistas da Casa Branca destacaram na semana passada uma estatística de crescimento salarial que sugere que a inflação pode não ser tão forte quanto o Fed acredita. A leitura salarial “supercore” caiu de 8% para pouco mais de 5% em janeiro, de acordo com o Conselho de Assessores Econômicos da Casa Branca.

    “A inflação supercore foi forte de 6,4% na comparação ano a ano até dezembro de 2022, mas está moderada”, disse Mark Zandi, economista-chefe da Moody’s. Nos três meses até dezembro, a inflação “supercore” subiu apenas 2,4% anualizada e apenas 0,9% anualizada no mês de dezembro.

    O crescimento dos salários também está moderado, disse Zandi, um bom sinal para a futura inflação “supercore”.

    “O Fed se concentra no supercore porque inclui os preços com maior probabilidade de serem impulsionados pelo custo da mão de obra, que o Fed pode impactar mais diretamente por meio de mudanças nas taxas de juros”, disse ele.

    “A inflação supercore ainda está muito quente, mas começou a esfriar, e todos os sinais apontam para isso e a inflação geral voltando a algo mais confortável nos próximos 12 a 18 meses”, disse Zandi à CNN.

    Mas o “supercore” não é um medidor perfeito

    Embora seja útil para os economistas detalhar os motores da inflação, há uma desvantagem prática em eliminar categorias voláteis como moradia, alimentação e energia: essas são despesas não negociáveis ​​para a maioria das famílias.

    “Pressões de preços generalizadas em categorias de gastos que são necessidades – moradia, alimentação, eletricidade, vestuário, seguro de veículos e móveis e operações domésticas – mostram que ainda falta uma melhoria ampla na frente da inflação”, disse Greg McBride, diretor financeiro analista da Bankrate.

    Portanto, existe o risco de que o CPI de janeiro possa desapontar, alertou McBride. Algumas das manchetes otimistas de dezembro vieram da queda dos preços da gasolina, que desde então se reverteram.

    “É provável que o CPI ressalte a sensação de que as pressões inflacionárias não cairão facilmente ou em linha reta”, disse McBride. “O progresso será mais difícil de obter do que a tendência dos últimos meses nos faz acreditar.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original