Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Estados registram aumento no preço médio da gasolina em agosto

    Novas regras da ANP entraram em vigor no início do mês passado e elevaram custo dos combustíveis

    A gasolina está mais cara em boa parte do país. No total, 24 estados e o Distrito federal tiveram alta no preço médio da gasolina em agosto. Apenas Rio Grande do Norte e Amazonas não aumentaram os valores nas bombas. Em São Paulo, o preço do combustível foi de R$3,94 em julho para R$4,01 em agosto, em média.

    No início de agosto, passaram a valer as novas especificações da gasolina automotiva definido pela  ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) . O prazo para as produtoras de combustíveis se adequarem às regras se encerrou e os brasileiros passam a encontrar nas bombas uma gasolina já produzida nos novos moldes. 

    As distribuidoras terão 60 dias para escoar o estoque dos produtos com a fórmula antiga e os pontos de venda terão 90 dias. Ou seja, em três meses todos os postos terão em suas bombas a nova gasolina. 

    Leia também:

    Nova gasolina entra em vigor: entenda como isso vai afetar o seu carro
    Petrobras aumenta gasolina em 5% na refinaria; alta desde maio é de 80%
    Em meio à pandemia, emissões de carbono devem cair 6% em 2020, diz OMM

    Posto de gasolina
    Postos de gasolina no Rio de Janeiro exibem o preço do combustível (06.mai.2020)
    Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

    Em entrevista à CNN, Edneia Caliman, especialista em regulação de petróleo e derivados da ANP, disse que haverá uma melhora da qualidade do combustível, que levará a um “consumo mínimo” pelos veículos. Para ela, haverá uma “compensação” pelo aumento do preço nos postos. 

    “Quando você tem um combustível mais eficiente, isso garante o consumo mínimo para o veículo. Ou seja, aquele veículo vai render mais. Essas mudanças melhoram a qualidade, propiciam maior eficiência energética e com certeza terá redução do consumo que será realizado”, explica.

    Questionada se as mudanças valerão a pena para o consumidor final, Caliman acredita que as mudanças “visam melhorar a qualidade do combustível adquirido pela população”.

    (Edição de texto: Luiz Raatz)