Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    EUA adicionam ‘Cryptoqueen’ à lista dos mais procurados por suposta fraude de US$ 4 bilhões

    Ruja Ignatova desapareceu no final de 2017 depois de descobrir que seu namorado cooperava com uma investigação do FBI

    Plataforma de criptomoeda FTX entra com pedido de recuperação judicial
    Plataforma de criptomoeda FTX entra com pedido de recuperação judicial Kanchanara/ Unsplash

    Luc Cohenda Reuters

    Uma cidadã alemã acusada de fraudar investidores em US$ 4 bilhões vendendo uma criptomoeda falsa chamada OneCoin foi adicionada à lista dos dez fugitivos mais procurados pelo FBI – (sigla em inglês para Departamento Federal de Investigação) -, disseram autoridades dos Estados Unidos nesta quinta-feira (30).

    Ruja Ignatova, também conhecida como “Cryptoqueen”, foi acusada em 2019 de oito acusações, incluindo fraude eletrônica e fraude de valores mobiliários, por administrar a OneCoin Ltd, com sede na Bulgária, como um esquema de pirâmide. Os promotores dizem que a empresa ofereceu comissões aos membros para atrair outros a comprar uma criptomoeda sem valor.

    “Ela cronometrou seu esquema perfeitamente, capitalizando a especulação frenética dos primeiros dias da criptomoeda”, disse Damian Williams, o principal promotor federal de Manhattan.

    Williams descreveu a OneCoin como “um dos maiores esquemas Ponzi da história”.

    Ignatova desapareceu no final de 2017 depois de grampear um apartamento pertencente a seu namorado americano e descobrir que ele estava cooperando com uma investigação do FBI sobre a OneCoin, disse Williams. Ela embarcou em um voo da Bulgária para a Grécia e não foi vista desde então, disse ele.

    O FBI está oferecendo uma recompensa de US$ 100 mil por informações que levem à captura de Ignatova, disse Michael Driscoll, diretor-assistente do FBI em Nova York.

    Driscoll se recusou a comentar quaisquer pistas sobre onde Ignatova poderia estar. A agência adiciona fugitivos à sua lista de mais procurados quando acredita que o público pode ajudar a rastrear suspeitos.

    “Ela saiu com uma quantia enorme de dinheiro”, disse Driscoll a repórteres. “Dinheiro pode comprar muitos amigos, e imagino que ela esteja se aproveitando disso.”

    Ignatova foi acusado ao lado de Mark Scott, um ex-advogado corporativo que, segundo os promotores, lavou cerca de US$ 400 milhões para a OneCoin. Scott foi considerado culpado de conspiração para cometer lavagem de dinheiro e conspiração para cometer fraude bancária após um julgamento de três semanas no tribunal federal de Manhattan.