Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    EUA vão acusar Google de violações trabalhistas, dizem ex-funcionários

    Investigação vai levantar informações sobre a demissão de cinco empregados do Google que lideraram protestos contra políticas da empresa

    <strong>Fachada de prédio da Google: empresa será acusada por governo dos EUA por violação trabalhista</strong>
    Fachada de prédio da Google: empresa será acusada por governo dos EUA por violação trabalhista Foto: Charles Platiau - 1.set.2020/ Reuters

    O Comitê Nacional de Relações Trabalhistas (NLRB) dos Estados Unidos fará uma queixa acusando o Google, da Alphabet, de monitorar, questionar e repreender funcionários ilegalmente, disseram os ex-empregados afetados nesta quarta-feira (2). O NLRB e o Google não responderam aos pedidos de comentários.

    A queixa segue uma investigação sobre a demissão de cinco empregados do Google que lideraram protestos contra políticas da empresa e tentaram organizar colegas em um possível sindicato. O Communications Workers of America ajudou a redigir a acusação.

    Leia também:
    Para Facebook, Google e Twitter, lei sobre fake news agrava risco à privacidade
    Google lança Task Mate, app que paga para você fazer ‘bicos’ para a empresa

    Um dos funcionários demitidos, Laurence Berland, descreveu a medida do NLRB como significativa “em um momento em que vemos o poder de um punhado de bilionários de tecnologia consolidar o controle sobre nossas vidas e nossa sociedade”.

    Berland disse que o NLRB descobriu que o Google violou leis trabalhistas ao colocar funcionários em licença administrativa e demitir um deles por acessar documentos relacionados à forma como a empresa controla seus fóruns internos.

    A agência também descobriu políticas ilegais do Google para limitar o acesso a alguns documentos, além de suas práticas para investigar como funciona a organização dos escritórios, de acordo com Berland. O NLRB não incluiu na queixa várias outras alegações dos ex-funcionários.