Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Gasolina sobe há quatro semanas e já custa R$ 4,60 em algumas regiões

    Os dias da gasolina barata estão ficando para trás. Após um longo período de queda, os postos voltam a remarcar os preços para cima de olho no exterior

    Fernando Nakagawada CNN

    Os dias da gasolina barata estão ficando para trás. Após um longo período de queda dos preços, os postos voltam a remarcar os valores para cima de olho no que acontece no exterior. Dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP) mostram que a gasolina sobe há quatro semanas seguidas e o preço médio do litro em todo Brasil volta a custar perto de R$ 4. No Rio de Janeiro, o valor já alcança R$ 4,60. É a gasolina mais cara do Brasil. 

    Esse aumento observado nas últimas quatro semanas reverte a firme tendência de queda observada nas 17 semanas anteriores – nesse período, a gasolina ficou 17,2% mais barata no Brasil. Desde então, o preço subiu 4,8%, segundo a ANP. A gasolina tem acompanhado o aumento de preços internacionais do petróleo, que sobem consistentemente desde maio com a gradual reabertura das economias em meio à pandemia. 

    Leia também:
    Pandemia afeta planos de concessões de aeroportos e rodovias federais
    Novas regras dificultam realização de concursos públicos

    Entre os estados brasileiros, a gasolina mais cara está no Rio de Janeiro, onde o litro custa média de R$ 4,6080 por litro, conforme dados até o dia 20 de junho. Acre (R$ 4,5150), Piauí (R$ 4,2970), Amazonas (R$ 4,2770), Bahia (R$ 4,2570) e Rio Grande do Norte (R$ 4,1750) são os outros estados com a gasolina mais cara do Brasil.

    Na outra ponta, o Amapá é o estado mais barato para encher o tanque com gasolina, onde a média é de apenas R$ 3,1560 por litro. Paraíba (R$ 3,6860), Paraná (R$ 3,7060) e Maranhão (R$ 3,8050) são outros estados com os menores preços por litro. Em São Paulo, a média da gasolina ficou em R$ 3,8070 por litro. 

    O aumento de preços já começa a ser observado de perto do Banco Central. “Como parte da queda do preço internacional do petróleo foi revertida em maio e junho, o cenário básico do Copom para os meses de junho, julho e agosto considera alta relevante dos preços dos combustíveis”, cita o Relatório Trimestral de Inflação divulgado ontem. 

    O banco BTG Pactual menciona em relatório aos clientes que a alta do preço dos combustíveis deve continuar ao longo das próximas semanas e há expectativa de inflação acumulada de 0,87% no trimestre encerrado em agosto. Boa parte desse aumento de preços é liderada pelos combustíveis e demais preços administrados, dizem os analistas do banco.

    Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook