Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Governo prorroga por 15 dias data para companhias aéreas apresentarem plano para redução de tarifas

    O prazo para apresentar propostas terminaria hoje, mas as operadores solicitaram mais tempo

    Proposta deveria ser apresentada nesta sexta-feira (24)
    Proposta deveria ser apresentada nesta sexta-feira (24) REUTERS/Pilar Olivares

    Mariana Albuquerqueda CNN

    em Brasília

    O Ministério de Portos e Aeroportos (MPor) deu mais 15 dias para as empresas aéreas apresentarem uma proposta de redução no preço das passagens. A divulgação do novo prazo foi feita por meio de nota divulgada pela pasta no fim da tarde desta sexta-feira (24).

    A decisão pela prorrogação aconteceu após o ministro de Portos e Aeroportos, Silvio Costa Filho, se reunir com os representantes das principais companhias aéreas brasileiras. O objetivo da reunião era encontrar medidas para baratear os valores das passagens.

    A nota divulgada pelo ministério afirma que partiu das companhias o pedido para adiamento da apresentação do plano de ações com medidas que visam diminuir os valores das tarifas. Procurado pela CNN para explicar o motivo da prorrogação, o ministro afirmou:

    “[As companhias] estão trabalhando internamente para apresentar algumas propostas que visem à redução do preço das passagens que vem preocupando a todos nós. Estamos torcendo que as companhias aéreas façam esse gesto com a sociedade brasileira, que vem sendo penalizada com algumas passagens que chegam a ser abusivas”.

    No último dia 14 de novembro, o ministro divulgou que havia se reunido com representantes das empresas operadoras, da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) e da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para discutir a alta de preços e a situação do setor no Brasil.

    Ficou acordado que as empresas elaborariam um plano de ação para tentar reduzir os valores. A proposta deveria ser apresentada hoje. Na ocasião, Silvio Costa reafirmou que o mercado é livre, não pode impor nada, mas que é um trabalho de convencimento, de diálogo, entre o governo e as companhias.