Inflação subiu para todas as faixas de renda em dezembro, aponta Ipea

Em termos absolutos, a faixa de renda mais baixa teve maior aumento entre os grupos, a 0,71%, enquanto a faixa de maior renda registrou o menor aumento, a 0,5%.

Para famílias de renda alta, pesou também o grupo Despesas Pessoais, repercutindo os reajustes de 0,8% dos bens e serviços de recreação
Para famílias de renda alta, pesou também o grupo Despesas Pessoais, repercutindo os reajustes de 0,8% dos bens e serviços de recreação REUTERS/Ricardo Moraes

Tamara Nassifda CNN

em São Paulo

Todas as faixas de renda do país registraram alta na inflação no último mês de dezembro, informou o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) nesta quinta-feira (12).

Em termos absolutos, a faixa de renda mais baixa teve maior aumento entre os grupos, a 0,71%, enquanto a faixa de maior renda registrou o menor aumento, a 0,5%.

A alta de preços no mês passado foi puxada por dois grupos: Saúde e Cuidados Pessoais e Alimentos e Bebidas. No primeiro segmento, o foco de pressão para classes de renda mais baixa foi o aumento de 3,7% em produtos de higiene pessoal, enquanto, para as famílias de renda mais alta, pesou o reajuste de 1,2% dos planos de saúde.

Quanto ao grupo de alimentos e bebidas, altas dos cereais (4,5%), dos tubérculos (5,7%) e dos farináceos (1,4%) geraram um forte impacto sobre a inflação em dezembro, sobretudo para faixas de renda mais baixa, mesmo diante da deflação de leite e derivados (-1,7%) e frutas (-1,6%).

Para famílias de renda alta, pesou também o grupo Despesas Pessoais, repercutindo os reajustes de 0,8% dos bens e serviços de recreação.

No acumulado do ano, a inflação de todas as faixas analisadas pelo Ipea desacelerou em relação ao observado no mesmo período de 2021. Segundo a pesquisa, as famílias de renda média-baixa apresentaram a menor alta inflacionária (5,59%), enquanto as de renda alta tiveram a maior alta no período (6,83%).