Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Investidores estão mais otimistas com o crescimento global, mas setor imobiliário chinês ainda preocupa

    Segundo pesquisa do Bank of America, um terço dos entrevistados citou o mercado imobiliário da China como o maior risco de evento de crédito, superando o setor imobiliário comercial dos EUA e da UE

    Pesquisa com 222 administradores de fundos com US$ 616 bilhões em ativos sob gestão foi realizada entre 1 e 7 de setembro
    Pesquisa com 222 administradores de fundos com US$ 616 bilhões em ativos sob gestão foi realizada entre 1 e 7 de setembro 14/03/2023REUTERS/Aly Song

    Da Reuters

    O setor imobiliário da China é a fonte mais provável de um evento de crédito sistêmico global, de acordo com a pesquisa de setembro dos gestores de fundos do Bank of America, que também constatou que o sentimento dos investidores em relação à economia global excluindo a China está melhorando.

    Um terço dos entrevistados na pesquisa citou o setor imobiliário chinês como o maior risco de evento de crédito, superando o setor imobiliário comercial dos EUA e da UE, com 32%.

    A pesquisa com 222 administradores de fundos com US$ 616 bilhões em ativos sob gestão foi realizada entre 1 e 7 de setembro.

    A segunda maior economia do mundo tem enfrentado dificuldades durante a maior parte deste ano, uma vez que a demanda interna e externa enfraqueceu e o aprofundamento da crise imobiliária pressionou ainda mais o crescimento, levando Pequim a implementar uma série de medidas de apoio.

    A mais recente turbulência no setor imobiliário da China concentrou-se na Country Garden, a maior incorporadora privada do país.

    A Reuters informou na terça-feira, citando fontes familiarizadas com o assunto, que a empresa obteve aprovação dos credores para estender os pagamentos de seis títulos onshore.

    Entretanto, fora da China, o sentimento dos investidores em relação ao crescimento global está se tornando mais positivo, segundo a pesquisa, com cerca de três quartos dos entrevistados esperando um pouso suave para a economia global – terminologia que normalmente se refere a uma desaceleração econômica gradual – ou nenhuma desaceleração.

    A pesquisa de setembro registrou um salto recorde na alocação dos entrevistados, com uma mudança para as ações dos EUA e saindo de mercados emergentes.

    As expectativas de crescimento da China caíram, com a porcentagem geral de entrevistados que esperam uma economia mais forte nos próximos 12 meses caindo de 78% na pesquisa de fevereiro para 0%, e menor do que há um ano, quando a segunda maior economia do mundo ainda estava em meio a rígidos bloqueios devido à Covid.

    Veja também: Dólar cai após China divulgar dados positivos