Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Japão gastou recorde de quase US$ 20 bilhões em intervenção para apoiar iene

    Intervenção, realizada depois que o iene caiu para uma mínima em 24 anos, desencadeou um salto acentuado de mais de 5 ienes por dólar

    Marca supera o recorde anterior de 2,62 trilhões de ienes usados em intervenção na venda de dólares e compra da moeda japonesa em 1998
    Marca supera o recorde anterior de 2,62 trilhões de ienes usados em intervenção na venda de dólares e compra da moeda japonesa em 1998 23/09/2022REUTERS/Florence Lo

    Por Leika Kihara e Tetsushi Kajimoto, da Reuters

    O Japão gastou um recorde de 2,8 trilhões de ienes (US$ 19,7 bilhões) em sua intervenção no mercado de câmbio na semana passada para sustentar o iene, mostraram dados do Ministério das Finanças nesta sexta-feira (30), drenando quase 15% dos fundos que tem prontamente disponíveis para intervir.

    O número foi inferior aos 3,6 trilhões de ienes estimados pelos corretores do mercado monetário de Tóquio para a primeira intervenção de compra e venda de dólares do Japão em 24 anos para conter o enfraquecimento da moeda.

    Acredita-se que a cifra do ministério, indicando o gasto total em intervenção cambial de 30 de agosto a 28 de setembro, foi usada inteiramente para a intervenção de 22 de setembro.

    A marca supera o recorde anterior de 2,62 trilhões de ienes usados em intervenção na venda de dólares e compra da moeda japonesa em 1998. A confirmação das datas dos gastos será divulgada em novembro.

    A intervenção, realizada depois que o iene caiu para uma mínima em 24 anos de quase 146 por dólar, desencadeou um salto acentuado de mais de 5 ienes por dólar a partir dessa mínima, embora a moeda já tenha recuado novamente para cerca de 144,25 por dólar.

    O Japão detinha cerca de us$ 1,3 trilhão em reservas, a segunda maior quantia depois da China, dos quais US$ 135,5 bilhões eram mantidos em depósitos em bancos centrais estrangeiros e no Banco de Compensações Internacionais (BIS), de acordo com dados de reservas estrangeiras divulgados em 7 de setembro.

    Estes depósitos podem ser facilmente aproveitados para financiar mais intervenções por meio de venda de dólares e compra de ienes.