Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Justiça rejeita ação do Safra para impedir convocação de assembleia de credores da Americanas

    Juiz do Rio manteve convocação da assembleia da varejista marcada para 19 de dezembro

    Juiz manteve a convocação da Assembleia Geral de Credores da Americanas marcada para o dia 19 de dezembro
    Juiz manteve a convocação da Assembleia Geral de Credores da Americanas marcada para o dia 19 de dezembro Agência Brasil

    da Reuters

    A 4ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro negou nesta segunda-feira (4) uma ação do Banco Safra para impedir que a Americanas e seus acionistas controladores convocassem uma Assembleia Geral de Credores (AGC).

    Na decisão de indeferimento, o juiz Alexandre de Carvalho Mesquita manteve a convocação da assembleia da Americanas marcada para 19 de dezembro e afirmou que o Banco Safra, por não ser um debenturista, não tem o direito de pleitear em nome de eventuais direitos de terceiros.

    “Com relação à necessidade de cumprimento efetivo dos requisitos para o ajuizamento da recuperação judicial, esta pode ser perfeitamente questionada quando da realização da assembleia geral de credores, onde todos, inclusive o banco Safra S/A, poderá se manifestar”, acrescentou o juiz no documento.

    À época do requerimento, o Safra questionou na Justiça a possibilidade de a Americanas agendar assembleia de credores sem “ao menos ter cumprido os ritos estabelecidos na legislação”.

    Também nesta segunda-feira, o Safra apresentou outra ação em que questiona o plano de recuperação judicial apresentado pela Americanas e por seu trio de acionistas de referência, Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira, dizendo que a proposta busca evitar que credores permaneçam investigando “as verdadeiras causas das fraudes perpetradas na companhia”.

    “O Banco Safra acredita que esta cláusula é um esforço ilegal da companhia e de seus acionistas controladores para evitar a responsabilização pela fraude e questiona a legalidade do plano de recuperação”, afirmou o banco em nota.

    O Safra também diz que o aporte proposto de R$ 12 bilhões pelo trio representa um montante “insignificante” em relação aos seus ativos e questiona a legalidade da cláusula na qual credores devem concordar em encerrar as investigações para possuírem direto à injeção de capital.

    Em nota nesta segunda-feira, a Americanas disse que “lamenta” que o banco esteja se posicionando, mais uma vez, contra sua recuperação judicial, e acusou o Safra de agir por interesses particulares.

    “Apesar de ter participado, com os demais bancos, de todas as negociações que levaram à construção do consenso em torno do plano de recuperação judicial, o Safra mostra que sua intenção, desde o início, não era de negociar, mas apenas satisfazer os seus interesses particulares, sem quaisquer concessões, como é natural num processo de Recuperação Judicial”, afirmou a Americanas.

    Veja também: Governo de SP confia em aprovação de deputados para privatização da Sabesp