Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Lufthansa e governo alemão chegam a acordo para ajuda de € 9 bi, dizem fontes

    Tratado aguarda aprovação pelo comitê de direção do fundo alemão de resgate de coronavírus, do conselho da companhia e da União Europeia

    Lufthansa negocia com governo há semanas sobre um pacote para ajudá-la a lidar queda prolongada nas viagens
    Lufthansa negocia com governo há semanas sobre um pacote para ajudá-la a lidar queda prolongada nas viagens Foto: Divulgação

    O governo alemão e a Lufthansa, que foi duramente atingida pela pandemia de coronavírus, chegaram a um acordo preliminar sobre um resgate de 9 bilhões de euros (US$ 9,8 bilhões), afirmaram duas pessoas próximas ao assunto.

    O acordo ainda está pendente de aprovação pelo comitê de direção do fundo alemão de resgate de coronavírus, que deve se reunir nesta segunda-feira (25), bem como pelos conselhos da Lufthansa e pela comissão da União Europeia.

    A Lufthansa se recusou a comentar. O ministério da Economia alemão disse que as negociações estavam em sua última fase, mas ainda não foram formalmente concluídas.

    Leia também:
    COVID-19 já é ‘maior vilã’ do século para aviação. As empresas vão sobreviver?

    A companhia aérea disse na semana passada que estava em negociações avançadas sobre um acordo que envolveria o governo ocupando dois assentos em seu conselho de supervisão, mas apenas exercendo plenos direitos de voto em circunstâncias excepcionais, como para proteger a empresa contra uma aquisição.

    A Lufthansa está em negociações com Berlim há semanas sobre um pacote para ajudá-la a lidar com o que se espera ser uma queda prolongada nas viagens, mas tem discutido quanto controle deve ceder em troca de apoio.

    Rivais como o grupo franco-holandês Air France-KLM e as companhia norte-americanas American Airlines, United Airlines e Delta Air Lines também tem buscado auxílio estatal.

    A Lufthansa disse que espera que as condições do acordo incluam a renúncia a pagamentos futuros de dividendos e limites ao bônus para executivos.

    O plano inclui a Alemanha com 20% de participação na Lufthansa. A Alemanha comprará as novas ações pelo valor nominal de 2,56 euros cada, por cerca de 300 milhões de euros (327 milhões de dólares), disse uma pessoa próxima ao assunto.

    O governo também injetará 5,7 bilhões de euros em capital sem direito a voto, em uma espécie de participação silenciosa, na empresa. Parte dessa participação silenciosa pode ser convertida em uma participação acionária adicional de 5%.

    A participação silenciosa terá um cupom de 4% em 2020 e 2021, aumentando para 9,5% até 2027 para incentivar um reembolso rápido, acrescentou a fonte.

    Separadamente, a Lufthansa receberá um empréstimo de 3 bilhões de euros do banco estatal KfW.

    Embora o acordo deva ser formalmente finalizado pelo governo alemão nesta segunda-feira, ainda depende de decisão da UE.

    A empresa e o órgão de fiscalização da concorrência ainda estão discutindo quais faixas horárias em quais aeroportos a Lufthansa precisará renunciar como remédio para garantir que o resgate não atrapalhe a concorrência.

    “O escrutínio é extremamente completo, pois é o primeiro grande resgate baseado em ações da pandemia”, disse a fonte.

    Clique aqui e siga o perfil do CNN Brasil Business no Facebook