Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Mais apropriado seria Arida na Fazenda e Haddad no Planejamento, diz Zeina Latif

    Em entrevista à CNN, consultora econômica comentou sobre possibilidade de dobradinha de Fernando Haddad e Pérsio Arida no comando das principais pastas da Economia do país

    Tamara NassifRenata Souzada CNN

    em São Paulo

    Em entrevista à CNN nesta sexta-feira (25), a consultora econômica Zeina Latif avaliou a possibilidade da dobradinha de Fernando Haddad e Pérsio Arida no comando das principais pastas da Economia do país a partir do ano que vem.

    Segundo ela, ao contrário do que tem sido ventilado, mais adequado seria ter Arida à frente do Ministério da Fazenda e Haddad, por sua vez, no Planejamento.

    “Não é uma novidade ter pessoas com linhas diferentes nos ministérios de Lula, mas entendo que, para este momento, mais indicado seria ter Pérsio Arida na Fazenda”, declarou ela.

    “Estamos falando de uma agenda econômica muito difícil e precisamos de uma pessoa com maior experiência, capaz de passar credibilidade e emprestar sua reputação ao novo governo. Arida tem todas as condições para montar uma equipe técnica capaz de lidar com esse momento, e não vejo Haddad com o perfil político para ajudar nas negociações, como andam dizendo.”

    Latif, que já foi economista-chefe da XP Investimentos, acrescentou que há uma certa urgência em indicar os nomes que estarão à frente das pastas econômicas do próximo governo.

    “Estamos vendo muita ‘bateção de cabeça’ em relação à PEC transitória, e são temas muito importantes. Trata-se de uma licença para aumentar gastos muito grandes, de programas que precisam de aperfeiçoamento, e não tem um time técnico por trás”, disse a consultora econômica.

    Ela ainda diz que a definição da liderança dos ministérios é importante para que todos os agentes econômicos — e não só o mercado financeiro — possam ter uma sinalização sobre a política fiscal, em meio a preocupações crescentes quanto ao risco de elevação da taxa Selic e alta inflacionária.

    “É adequado ter uma definição ainda este ano, até para que a nova equipe possa participar das discussões em relação ao Orçamento do ano que vem.”