Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Manutenção da Selic é “preocupante”, mas vamos perseverar no diálogo com o BC, diz Haddad

    Ainda sobre a decisão do Copom, ministro disse que “jamais” vai exercer pressão política sobre o Banco Central a fim de influenciar suas decisões

    Danilo Moliternoda CNN

    São Paulo

    O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse em evento nesta quinta-feira (4) ver com “preocupação” a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) de manter a taxa básica de juros em 13,75% ao ano. O petista destacou, porém, que vai “perseverar no diálogo” com a instituição.

    “Eu fiquei bastante preocupado com a decisão de ontem do nosso Copom, de manter a maior taxa de juros do mundo, em uma economia que tem hoje uma das menores taxas de inflação. Mas ainda assim vamos perseverar em harmonizar com a questão monetária, perseverar no diálogo com o Banco Central”.

    Haddad falou em reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico Social Sustentável (CDESS), o chamado “conselhão”. Ainda sobre a decisão do Copom, ele disse que “jamais” vai exercer pressão política sobre o Banco Central a fim de influenciar suas decisões.

    “Da minha parte, jamais vai haver qualquer tipo de pressão política, no sentido pejorativo do termo, sobre um órgão público que tem a mesma legitimidade que eu tenho ao ser designado pelo presidente. Temos total clareza sobre isso, mas é um tema [taxa de juros] que, sim, importa para a política fiscal”, afirmou.

    Essa foi a sexta vez seguida em que o BC decidiu pela manutenção da taxa. Assim, o patamar de juros continua no maior nível desde dezembro de 2016.

    Fiscal depende dos Poderes

    O petista ainda falou sobre a nova regra fiscal — que deve ser votada na Câmara dos Deputados na segunda quinzena de maio, de acordo com o próprio ministro.

    Ao comentar a medida, o ministro destacou a necessidade de o governo aprovar a medida, mas destacou que alcançar metas fiscais também depende da colaboração do Congresso Nacional e do Judiciário.

    “Trouxemos a ideia de uma nova regra fiscal, que desse um horizonte de planejamento, permitindo que as desonerações que foram feitas ao longo dos últimos sete anos fossem revistas, para o bem das finanças públicas. Mas a tarefa não é só nossa, dependemos do Congresso e da sensibilidade do Judiciário para alcançar essa meta”, completou.

    Ainda segundo o ministro, o governo está trabalhando em um plano econômico de médio e longo prazo, que ainda não veio a público por conta de um “passivo enorme” a ser enfrentado.

    Por fim, Haddad, disse  que a América do Sul depende do sucesso econômico do Brasil para “dar certo”, afirmando ainda que o país não pode se contentar com crescimento de apenas 1% ao ano.