Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Marca de luxo Daslu é arrematada por R$ 10 milhões em leilão disputado

    "Templo de luxo" paulistano estava em recuperação judicial desde 2010

    Valor ficou bem acima do lance mínimo de R$ 1,4 milhão inicialmente estabelecido
    Valor ficou bem acima do lance mínimo de R$ 1,4 milhão inicialmente estabelecido Daslu/Reprodução

    Fernando Scheller, do Estadão Conteúdo

    A marca Daslu foi arrematada por R$ 10 milhões em um leilão realizado pela casa Sodré Santoro, dentro do processo judicial de falência da marca. O valor ficou bem acima do lance mínimo de R$ 1,4 milhão inicialmente estabelecido.

    De acordo com a leiloeira Mariana Sodré Santoro Batochio, da Sodré Santoro, houve um total de 32 lances pelo ativo. O nome do comprador não foi imediatamente revelado, mas deve ser incluído no processo nos próximos dias.

    A concretização da venda depende do pagamento do valor.

    “O processo mostrou que a Daslu ainda tem valor — e não é pouco valor”, disse Mariana.

    A Sodré Santoro tem experiência em retomada de marcas antigas: vendeu, em 2010, a marca Mappin para a rede Marabraz. Recentemente, em processo separado, a Mesbla também foi “ressuscitada” por ex-funcionários.

    Histórico

    A Daslu, criada por Eliana Tranchesi, que morreu em 2012, voou alto por mais de uma década, a partir dos anos 1990.

    Em um momento em que as marcas de luxo internacionais praticamente não tinham presença no Brasil, a Daslu oferecia serviços especializados para suas clientes em um estilo “casa de patroa” — com vendedoras uniformizadas e que tratavam as consumidoras como se estivessem em uma mansão.

    O castelo da Daslu começou a ruir em 2005, não muito depois da inauguração da Villa Daslu. O edifício neoclássico, construído ao custo de R$ 100 milhões, chegou a ter 700 empregados.

    Foi nessa época que Eliana foi presa por sonegação fiscal. Em 2010, a companhia entrou em recuperação judicial, com dívidas de R$ 80 milhões.

    Antes de ir à falência, a empresa ficou um período nas mãos do fundo Laep, de Marcos Elias, que já enfrentou vários questionamentos na Justiça e foi dono da Parmalat no País. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.