Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ibovespa fecha em alta de olho na aprovação da PEC do Estouro; dólar fica estável a R$ 5,20

    Principal índice da bolsa brasileira subiu 0,53% nesta quarta-feira (21), enquanto moeda norte-americana teve leve variação negativa, de 0,03%

    Do CNN Brasil Business*

    O Ibovespa fechou nesta quarta-feira (21) em alta de 0,53%, aos 107.433,14 pontos, na terceira alta seguida, com desempenho mais modesto do que em Wall Street, mas ainda refletindo reação positiva à PEC do Estouro, que levaram à forte valorização do índice no início da semana.

    A resseguradora IRB foi destaque com alta de 24,69%, após divulgar lucro mensal em outubro. Na ponta negativa, Magazine Luiza registrou maio desvalorização do dia, 7,45%.

    Na máxima, o índice foi a 107.991,07 pontos e, na mínima, caiu a 106.065,73 pontos. O volume financeiro somou R$ 24,1 bilhões, ante média diária no mês de dezembro até o dia 20 de R$ 30,1 de bilhões.

    O dólar encerrou rondando a estabilidade, após sessão com trocas de sinais ao longo das negociações. A moeda norte-americana terminou o dia com variação negativa de 0,03%, cotada a R$ 5,204.

    Na véspera, a moeda norte-americana spot recuou 1,97%, a R$ 5,205 na venda, maior depreciação percentual diária desde 31 de outubro (-2,59%) e o patamar de encerramento mais baixo desde 1° de dezembro (R$ 5,197).

     

    O Banco Central realizou neste pregão leilão de até 16 mil contratos de swap cambial tradicional para fins de rolagem do vencimento de 2 de janeiro de 2023.

    PEC aprovada na Câmara

    A Câmara dos Deputados aprovou em segundo turno o texto da PEC do Estouro nesta quarta-feira (21). Foram 331 votos a favor e 163 contra. Texto agora retorna ao Senado.

    A previsão é que a votação no Senado seja realizada ainda nesta quarta-feira.

    Na noite de terça-feira (20), a Casa aprovou o texto-base em primeiro turno viabilizando a manutenção do Auxílio Brasil em R$ 600 mensais a cada beneficiário por meio da expansão do teto de gastos em R$ 145 bilhões no ano que vem. O prazo de vigência desta regra extraordinária, porém, foi reduzido de dois para um ano.

    *Com reuters