Mercados menores são mais afetados por bloqueios, diz vice-presidente da Abras

Em entrevista à CNN, Marcio Milan, da Associação Brasileira de Supermercados, disse que interdições em estradas impactam abastecimento de mercados menores, sobretudo em regiões periféricas

Tamara NassifBel Camposda CNN

em São Paulo

Em entrevista à CNN nesta quarta-feira (2), Marcio Milan, vice-presidente da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), afirmou que os bloqueios e interdições nas estradas, causados por apoiadores do atual presidente Jair Bolsonaro (PL), afetam todo o setor de alimentos, sobretudo mercados e lojas menores localizados em regiões periféricas.

“As lojas menores, principalmente nas periferias, estão sofrendo um pouco mais, porque dependem muito do abastecimento do CEAGESP de São Paulo, por exemplo, que não abastece só o estado paulista, mas todo o Brasil”, disse Milan.

“Em outro monitoramento desta manhã, analisamos os estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, cujas lojas não recebem produtos há dois dias em função das barreiras. À medida que a coisa vai normalizando, esperamos que a regularização dessa situação aconteça em mais dois dias.”

O vice-presidente da Abras ainda ressaltou que, embora não haja uma preocupação maior quanto ao desabastecimento de alimentos no país, há riscos de produtos na área de perecíveis, sobretudo frutas, legumes e carnes, faltarem nos supermercados.

“Quando acontecem situações como essa, costumam ocorrer perdas, e isso não só traz uma preocupação financeira, como também a questão de desperdício de alimentos, que estragam no caminho”, disse ele.

Confira a entrevista na íntegra no vídeo acima.