Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Mil malas e nenhum passageiro: voo da Delta é mais recente sinal do caos das bagagens

    Falta de colaboradores causou colapso do serviço de bagagens no Aeroporto de Heathrow, em Londres

    Delta divulgou na quarta-feira (13) lucros bem mais baixos do que o previsto
    Delta divulgou na quarta-feira (13) lucros bem mais baixos do que o previsto Foto: REUTERS/Elijah Nouvelage

    Chris Isidoredo CNN Business

    A Delta Air Lines de Nova York deu o que chamou de uma medida “criativa” para resolver um enorme problema de bagagem para passageiros que passaram pelo conturbado Aeroporto de Heathrow, em Londres.

    Outros podem chamar a medida de extrema: a companhia aérea voou de Londres para seu hub em Detroit, nos Estados Unidos, com 1.000 malas perdidas e zero passageiros.

    A falta de pessoal que causou um colapso do serviço em Heathrow nas últimas semanas foi agora apelidada de “airmageddon”.

    As autoridades aeroportuárias responderam aos voos cancelados e às reclamações massivas de bagagem perdida dizendo às companhias aéreas que devem limitar o número de passageiros em um dos aeroportos mais movimentados do mundo para 100.000 mil pessoas por dia.

    A empresa descobriu uma maneira de tirar as malas perdidas do aeroporto, mesmo que não pudesse levar mais passageiros.

    “As equipes da companhia trabalharam em uma solução criativa para mover as malas despachadas atrasadas de Londres-Heathrow em 11 de julho, depois que um voo regular teve que ser cancelado devido às restrições de volume de passageiros do aeroporto em Heathrow”, disse um comunicado da companhia aérea.

    “O voo 9888 de Heathrow para o hub da Delta em Detroit transportou 1.000 malas de volta para os Estados Unidos, onde as equipes as encaminharam para nossos clientes”.

    O voo sem passageiros foi relatado pela primeira vez pelo New York Times. A Delta e outras companhias aéreas dos EUA foram atingidas por sua própria escassez de pessoal e problemas de serviço até agora nesta temporada de viagens de verão, causando o cancelamento de quase 30.000 voos para, de ou dentro dos Estados Unidos, de acordo com o serviço de rastreamento FlightAware.

    As interrupções foram particularmente nos fins de semana de feriados, como o Memorial Day, o fim de semana do Dia dos Pais (1º de junho) e o feriado de 4 de julho.

    A Delta divulgou na quarta-feira (13) lucros bem mais baixos do que o previsto devido em parte aos custos mais altos de combustível, mas também atribuídos ao custo de lidar com esses problemas de serviço.

    Embora a aérea não tenha divulgado os custos específicos dos problemas de serviço, ela disse que pagará mais US$ 200 milhões este ano em horas extras e pagamento de prêmios para reduzir o número de cancelamentos de voos.

    Isso sem contar outros custos associados a interrupções de serviço – como voar em jatos cheios de malas no exterior sem nenhum cliente pagante.

    “Quero agradecer aos nossos clientes por sua paciência e compreensão enquanto restauramos a confiabilidade que você espera da Delta”, disse o CEO da empresa, Ed Bastian, durante uma ligação com investidores na quarta-feira.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original