Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    “Não desisti e vou levar meus argumentos ao governo federal”, diz Tarcísio sobre privatização do Porto de Santos

    “A privatização pode atrair R$ 20 bilhões de investimento. Estamos falando de revitalizar a área histórica de Santos e resolver problema de mobilidade, mas vamos considerar um plano B”, disse

    Anne Barbosada CNN

    São Paulo

    A privatização do Porto de Santos foi pauta na primeira reunião do novo secretariado do governo paulista, que aconteceu no fim da tarde desta segunda-feira (2) e durou cerca de três horas. Durante coletiva de imprensa realizada após o encontro, Tarcísio de Freitas, do Republicanos, afirmou que não desistiu do projeto e que vai levar os argumentos ao governo federal.

    “A privatização pode atrair R$ 20 bilhões de investimento. Estamos falando de revitalizar a área histórica de Santos e resolver problema de mobilidade, mas vamos considerar um plano B”, disse.

    Tarcísio também reafirmou a intenção de privatizar a companhia de abastecimento do Estado, a Sabesp, e sobre medidas que podem ser tomadas em conjunto para a situação da Cracolândia, no centro de São Paulo.

    Os 25 secretários, incluindo Guilherme Afif, da secretaria especial de projetos estratégicos, se encontraram com o governador Tarcísio de Freitas, do Republicanos, na Sala São Paulo do Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista.

    Entre eles, Gilberto Kassab, secretário de governo, Eleuses Paiva, secretário de saúde e Renato Feder, secretário de educação. Depois de 28 anos de PSDB no comando, o objetivo do ponta pé inicial da nova gestão foi planejar e decidir as prioridades para os 100 primeiros dias de governo, mas também direcionar as orientações para os próximos quatro anos.

    A primeira agenda pública como chefe do Executivo estadual de Tarcísio de Freitas foi em Santos, no litoral paulista, onde participou do velório do rei Pelé na manhã desta segunda-feira na Vila Belmiro.

    Tarcísio de Freitas, do Republicanos, que foi ministro de infraestrutura no governo de Jair Bolsonaro, foi empossado como governador de São Paulo pelos próximos quatro anos em uma cerimônia realizada no último domingo (1) na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp).