Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Nos EUA, Geração Z vê mercado de ações em baixa pela primeira vez na vida

    Cerca de 15% de todos os atuais investidores de Wall Street dizem que começaram a investir em 2020, de acordo com uma pesquisa

    Queda do mercado alimentada pela pandemia forneceu um ponto de entrada fácil para investir
    Queda do mercado alimentada pela pandemia forneceu um ponto de entrada fácil para investir Getty Images

    Nicole Goodkinddo CNN Business

    A pandemia trouxe uma onda de novos investidores ao mercado de ações. E agora esses novatos estão enfrentando sua primeira grande desaceleração do mercado.

    Alguns Millennials e Gen Z ficaram desempregados e entediados durante o pico da Covid-19, mas ainda assim com acesso repentino a dinheiro por meio de programas de estímulo e aumento dos pagamentos federais de desemprego.

    E a queda do mercado alimentada pela pandemia forneceu um ponto de entrada fácil para investir.

    O cassino estava aberto e todos estavam ganhando muito. Esses novos investidores tinham menos margem de manobra quando se tratava de perder dinheiro, mas eles nunca haviam passado por uma crise de mercado ou recessão.

    Depois veio o caos geopolítico, escassez de oferta, inflação mais alta e altas taxas de juros que agitaram os mercados. O S&P 500 caiu cerca de 13% em relação à sua última alta em 3 de janeiro e atingiu brevemente o território de baixa, com queda de 20% intradiária, no mês passado.

    Para investidores iniciantes, as coisas estão mudando rapidamente.

    Comprando primeiro, perguntando depois

    Cerca de 15% de todos os atuais investidores do mercado de ações dos EUA dizem que começaram a investir em 2020, de acordo com uma pesquisa da Schwab – e a maioria que abriu sua primeira conta de investimento sem aposentadoria naquele ano tinha menos de 45 anos e rendas mais baixas do que outros investidores, segundo um estudo da FINRA. Ao todo, cerca de 20 milhões de pessoas começaram a investir nos últimos dois anos.

    Cheios de liquidez, “eles compraram primeiro e fizeram perguntas depois com ações memes, SPACs, NFTs. Havia muito do que eu chamo de compra indiscriminada”, disse Leo Grohowski, diretor de investimentos do BNY Mellon Wealth Management.

    Charlie Munger, da Berkshire Hathaway, descreveu o mercado de ações durante esse período como “quase uma mania de especulação”, acrescentando que “temos pessoas que não sabem nada sobre ações, sendo aconselhadas por corretores que sabem menos ainda”.

    Agora, “o cassino está fechado”, disse Peter Mallouk, presidente e CEO da Creative Planning, uma empresa de gestão de patrimônio, à CNN.

    O clima mudou dentro de comunidades digitais como WallStreetBets do Reddit, onde jovens investidores se reuniam durante os bons tempos para postar memes sobre as ações subindo.

    “Acontece que investir é meio difícil quando a torneira do dinheiro grátis está fechada”, escreveu um usuário, com outro acrescentando: “Eu estraguei minhas economias e meu portfólio. Eu nem tenho dinheiro para perder mais dinheiro no mercado de ações, então estarei fora.”

    Mas profissionais experientes dizem que esse não é o caminho a seguir. Aqui está o que eles sugerem:

    Não entre em pânico, aprenda lições e continue

    Os investidores podem estar em pânico, disse Grohowski, mas não devem sair completamente dos mercados.

    “Francamente, espero que as lições aprendidas sejam ‘compre primeiro, pergunte depois’ nunca seja uma boa estratégia – e que os fundamentos e a avaliação sejam importantes”, disse ele. “Isso se tornará um ponto de entrada melhor do que um ponto de saída para investidores orientados a longo prazo.”

    Certamente “é um teste” para investidores que perdem muito, reconheceu Grohowski, mas ele acha que haverá “um mercado melhor pela frente”.
    Outros investidores de longa data também pregaram a necessidade de perspectiva.

    “Em todos os mercados em baixa, parece que o fim do mundo está próximo enquanto está acontecendo”, escreveu Ben Carlson, gerente da Ritholtz Wealth Management, em uma nota recente.

    “Em todos os mercados em baixa, temos algum analista técnico que faz uma analogia de 1987 ou 1929 usando um gráfico de sobreposição que faz parecer que teremos a mãe de todas as falhas novamente.”

    Mas “todos os outros mercados em baixa da história são uma oportunidade de compra épica até a próxima”, acrescentou.

    Como sobreviver à crise

    De fato, “quando os mercados se tornam mais voláteis e a fraqueza substitui a força, sempre lembramos aos investidores que o pânico não é uma estratégia de investimento”, disse Liz Ann Sonders , estrategista-chefe de investimentos da Charles Schwab.

    Ela recomenda que os investidores ativos selecionem ações concentrando-se em fatores como balanços patrimoniais ricos em caixa e com baixo endividamento, revisões de lucros positivos e baixa volatilidade.

    Altas acentuadas são comuns durante os mercados em baixa, observou Sonders, mas os investidores devem estar preparados para uma desaceleração prolongada. “A política agressiva do Fed, a virada da maré de liquidez e o crescimento econômico mais lento provavelmente manterão a pressão sobre as ações”, acrescentou.

    Dadas todas essas preocupações, “não entre em pânico” pode parecer um conselho difícil de seguir. Uma maneira de evitar isso é garantir que você tenha recursos suficientes fora do mercado para enfrentar uma crise, disse Mark Riepe, diretor administrativo do Schwab Center for Financial Research.

    Se você puder aguentar sem depender desse dinheiro no mercado, não precisará sair do fundo e correr o risco de perder o inevitável rebote. (Lembre-se, os mercados de baixa anteriores tendiam a ser mais curtos do que os mercados de alta).

    O Schwab Center for Financial Research comparou os retornos de diferentes carteiras durante o mercado de baixa médio e descobriu que os investidores que permaneceram 100% em ações quando o mercado atingiu sua baixa e depois se recuperou tiveram um desempenho melhor do que os investidores que venderam algumas ações durante a recessão.

    Portanto, embora a incerteza econômica seja abundante, os investidores devem lembrar que a volatilidade é necessária para melhores retornos de longo prazo sobre as ações, escreveu David Kelly, estrategista-chefe global do JPMorgan Asset Management em uma nota recente.

    Kelly também aconselhou os investidores a ter em mente que um portfólio diversificado reduz o risco, as avaliações são um bom indicador do potencial de ganho de longo prazo e investir com lógica e não emoção.

    “Muitas vezes, o melhor momento para investir é quando as pessoas se sentem mais assustadas e confusas”, escreveu Kelly. “Em um mundo de ‘?’s, os princípios de investimento merecem um ‘!’.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original