Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Para 2023, CNA prevê lucro menor e alta dos custos do agronegócio

    Entidade agrícola, no entanto, estima um aumento da safra de grãos no período de 2022 a 2023 de 15,5%, atingindo um total de 313 milhões de toneladas

    Gustavo Uribeda CNN

    Brasília

    A CNA (Confederação Nacional da Agricultura) prevê que o agronegócio brasileiro terá um custo de produção maior e uma margem menor de lucro, com redução de receita para o produtor rural, no próximo ano.

    Segundo a entidade agrícola, a perspectiva preocupante se deve, no cenário doméstico, a incertezas sobre o controle das despesas públicas e a condução da política fiscal pelo governo eleito, o que pode impactar os custos do setor agropecuário, sobretudo em questões tributárias.

    Além disso, caso a taxa de juros se mantenha em patamar elevado, atualmente em 13,75% ao ano, há previsão de um custo maior do crédito para o consumo, o custeio e o investimento.

    Já no cenário internacional, há uma perspectiva de desaceleração da atividade econômica mundial e queda no crescimento de países como China e Estados Unidos, o que pode impactar as exportações brasileiras no próximo ano.

    O receio é também de que a continuidade da guerra entre Rússia e Ucrânia mantém um cenário volátil sobre a disponibilidade mundial de grãos, insumos e fertilizantes.

    A estimativa feita pela entidade agrícola é de que, mesmo diante do cenário negativo, deverá haver uma recuperação da atividade produtiva agrícola em comparação a este ano, que deverá fechar este ano com queda de 4,1%.

    A estimativa para a safra de grãos no período de 2022 a 2023 é de um aumento de 15,5%, o que representa 42 milhões de toneladas, em relação à safra 2021/2022, atingindo um total de 313 milhões de toneladas.

    “O crescimento é reflexo da elevação na área plantada, estimado em 76,8 milhões de hectares na atual safra, principalmente da soja, que pode chegar a 43,2 milhões de hectares, superando em 4% o ciclo anterior”, explica a entidade agrícola.

    A expectativa é de o consumo mundial de soja aumentar 1% em 2023, concentrado nos países em desenvolvimento, que devem responder por 74% do consumo em 2023.

    No comércio exterior, de janeiro a outubro deste ano, as exportações brasileiras de produtos agropecuários totalizaram US$ 136,1 bilhões, superando em 13% o total vendido em todo 2021, de US$ 120,5 bilhões.