Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Petróleo fecha em alta, com ganhos acima de 10% na semana, com decisão da Opep+

    Petróleo Brent para dezembro avançou 3,71% (US$ 3,50), a US$ 97,92 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE) e ganhou 15,01% na semana

    Matheus Andrade, do Estadão Conteúdo

    Os contratos futuros de petróleo fecharam em forte alta nesta sexta (7) em mais uma sessão na qual a decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) de fazer um importante corte na produção da commodity impulsionou os preços do barril.

    Como resultado, na semana o ganho acumulado ficou acima de 10% para o petróleo. O movimento chamou a atenção de importantes consumidores, como os Estados Unidos, que se mobilizaram para tentar compensar a forte alta nos preços.

    O petróleo WTI para novembro fechou em alta de 4,74% (US$ 4,19), a US$ 92,64 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), com alta semanal de 16,64%.

    Já o Brent para dezembro avançou 3,71% (US$ 3,50), a US$ 97,92 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE) e ganhou 15,01% na semana.

    “Os preços do petróleo bruto subiram cerca de 10% esta semana, quando a Opep+ anunciou um corte de 2 milhões de barris de petróleo em sua cota de produção, o que praticamente garante que o mercado estará em déficit no quarto trimestre”, avalia a Capital Economics. Assim, a consultoria mantém sua previsão de que o preço do Brent ficará em torno de US$ 100 por barril no final de 2022.

    Além do impacto na oferta de petróleo, a decisão da Opep+ é significativa, pois o grupo decidiu ignorar a pressão dos Estados Unidos para aumentar a oferta, avalia.

    “Nas próximas semanas, poderemos ver a intervenção dos EUA no mercado de petróleo e ou em suas relações com a Arábia Saudita”, projeta.

    Ontem, o presidente Joe Biden se disse desapontado com a decisão da Opep+. Em conversa com repórteres antes de embarcar no avião presidencial, o democrata disse: “estamos analisando quais alternativas podemos ter”.

    O analista da Oanda Edward Moya lembra que um dólar forte está consumindo alguns ganhos semanais de petróleo, mas diz que isso não terá um impacto duradouro.

    Em sua visão, a Opep+ “mostrou suas cartas esta semana e isso manterá os mercados de petróleo muito apertados à medida que nos aproximamos do inverno”.

    A Opep+ “faz o que for preciso e agora está esperando para ver qual será a reação dos líderes mundiais. Os riscos do petróleo de US$ 100 estão facilmente de volta à mesa e, se for um inverno frio, poderemos ver US$ 110 antes do final do ano”, projeta.