Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Petróleo fecha em alta de 4% após Guerra de Israel impor temores sobre oferta

    Preço do barril tipo Brent, usado como referência na maior parte do globo, teve alta de 4,22%, a US$ 88,15

    Fogo visto no topo de plataforma de petróleo da Petrobras no Rio de Janeiro
    Fogo visto no topo de plataforma de petróleo da Petrobras no Rio de Janeiro 16/02/2011REUTERS/Sergio Moraes

    Maria Lígia Barros, do Estadão Conteúdo

    O petróleo fechou em alta de 4% nesta segunda-feira (9) após o conflito deflagrado após ataques do grupo palestino Hamas contra alvos em Israel levantar preocupações com eventuais interrupções de oferta na região.

    O barril do petróleo WTI para novembro fechou com ganho de 4,33% (US$ 3,59), a US$ 86,38 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex). A variação corresponde ao maior aumento nominal em seis meses, de acordo com a Dow Jones Newswire. ,

    O barril do Brent para dezembro subiu de 4,22% (US$ 3,57), a US$ 88,15 o barril, na Intercontinental Commodity Exchange (ICE).

    O ataque do grupo islâmico palestino Hamas a Israel no fim de semana e a consequente retaliação na Faixa de Gaza foram o principal driver do dia no mercado da commodity.

    O barril é negociado mais caro enquanto investidores ponderam riscos de turbulências produtivas na região, que é formada por alguns dos maiores produtores do mundo, a exemplo da Arábia Saudita, segundo o analista de Inteligência de Mercado para Petróleo da StoneX, Bruno Cordeiro.

    “Também houve acusações de que o governo iraniano estaria diretamente ligado aos ataques a Israel”, contextualiza Cordeiro. Teerã já negou envolvimento com a investida do Hamas, mas a possibilidade de um contra-ataque israelense ao Irã preocupa, uma vez que o país abriga o Estreito de Ormuz.

    O estreito fica localizado entre o Golfo de Omã e o Golfo Pérsico e é responsável por levar cerca de 20% de todo o petróleo consumido no mundo, de acordo com o especialista. Assim, um eventual atrito com o Irã poderia gerar problemas logísticos para a oferta global de petróleo, à medida que têm potencial para afetar os fluxos comerciais no estreito, disse ele.

    A Capital Economics disse que os riscos para o mercado de petróleo serão tão maiores quanto mais tempo durar o conflito em Israel e mais disseminado ele se mostrar. A consultoria ressalta, entretanto, que a alta de preço de hoje não é suficiente para reverter totalmente as fortes quedas registradas na semana passada.

    Nos noticiários, o setor acompanhou também o aumento pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) da sua projeção para a demanda global da commodity em 2045. O cartel espera que o mundo consuma 116 milhões de barris por dia no ano citado, o que representa um avanço de 16 milhões de barris em comparação com a previsão de 2022.

    *Publicado por Marien Ramos