Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    PIB do Brasil aparece em 26° no ranking mundial

    No terceiro trimestre, economia brasileira recuou 0,1%, o que indica uma recessão técnica

    Lucas Janoneda CNN

    no Rio de Janeiro

    Com um recuo no Produto Interno Bruto (PIB) de 0,1% no terceiro trimestre deste ano, o Brasil apareceu na 26° colocação do ranking global de desempenho econômico, que é composto por 31 nações. Segundo especialistas, o país entrou em uma recessão técnica, quando a economia do país apresenta queda por dois trimestres seguidos.

    O PIB, que se refere à soma de todas as riquezas produzidas no país, é divulgado periodicamente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

    O levantamento da Austin Rating, com base em dados do Banco Mundial e do FMI, mostra que o PIB brasileiro, no terceiro trimestre, ficou menor do que os de países sul-americanos como Colômbia e Chile. No topo da lista aparece a Arábia Saudita, onde a economia cresceu 5,8% entre julho e setembro. Em contrapartida, o Japão registrou PIB inferior ao brasileiro.

    E o cenário econômico ainda deve demorar a melhorar, segundo a projeção da Austin Rating. A expectativa é de que o PIB brasileiro cresça apenas 0,6% em 2022. O professor da FGV, Eduardo Zilber, afirma que o resultado ‘era esperado’, e alertou que o Brasil precisa ‘corrigir os rumos’ da economia.

    “Sem dúvida nenhuma é um aspecto preocupante, mas não é surpreendente. Nós sabemos que o desempenho da economia brasileira vem sendo ruim há algum tempo e esses números eram esperados.

    O que precisamos fazer é corrigir os rumos da nossa economia para tentar voltar a um caminho de crescimento econômico, que há muito tempo nos afastamos”, disse o economista da FGV.

    Atualmente, a economia brasileira aparece em 13º no ranking das maiores do mundo, com US$ 1,595 bilhão de valores correntes. Os Estados Unidos é o 1º, com US$ 22,939 trilhões, ou 23,4% da participação mundial. Em segundo lugar aparece a China, responsável por 17,8% da economia mundial.