Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Plano de taxar ricos para financiar carros elétricos está em jogo com eleição nos EUA

    Iniciativa acrescentaria um imposto adicional de 1,75% sobre rendimentos acima de US$ 2 milhões

    Opositores da iniciativa de votação afirmam que é apenas uma tentativa de uma empresa de tecnologia de se beneficiar à custa de outras prioridades
    Opositores da iniciativa de votação afirmam que é apenas uma tentativa de uma empresa de tecnologia de se beneficiar à custa de outras prioridades Pexels

    Peter Valdes-Dapenado CNN Business

    A Califórnia é líder entre os estados, e até mesmo países, na promoção de uma mudança para carros elétricos, inclusive com seus planos de proibir a venda de carros movidos exclusivamente a gasolina até 2035.

    Mas agora os californianos estão votando em uma proposta de votação que promete acelere ainda mais essa mudança tributando os californianos mais ricos para ajudar a pagar incentivos fiscais para veículos elétricos e carregadores de veículos elétricos no estado.

    A iniciativa, Proposição 30, acrescentaria um imposto adicional de 1,75% sobre rendimentos acima de US$ 2 milhões.

    A maioria do dinheiro seria destinada ao financiamento de incentivos para compras de veículos elétricos e instalação de carregadores de veículos elétricos, com grande parte destinada a comunidades de baixa renda.

    Outros 20% dos fundos seriam usados ​​para pagar a prevenção de incêndios florestais e treinamento adicional de bombeiros. Uma pesquisa recente da Universidade do Sul da Califórnia mostrou eleitores bastante divididos sobre a ideia.

    Os opositores da iniciativa de votação afirmam que é apenas uma tentativa de uma empresa de tecnologia de se beneficiar à custa de outras prioridades.

    A iniciativa é desnecessária, eles afirmam, e pode até prejudicar a economia, levando os moradores ricos a saírem do estado.

    Divergências no Partido

    Embora a proposta seja apoiada pelo Partido Democrata do estado, o governador da Califórnia, Gavin Newsom, um democrata, se manifestou publicamente contra ela. Em um anúncio de TV, Newsom chamou de “esquema cínico de uma empresa para obter um enorme subsídio financiado pelo contribuinte”.

    Newsom está se referindo à empresa de compartilhamento de caronas Lyft, que forneceu 95% do financiamento por trás da iniciativa de votação, de acordo com registros estaduais. Os opositores da iniciativa de votação afirmam que o apoio da Lyft é egoísta.

    As regulamentações estaduais aprovadas em 2021 exigem que 90% das milhas de compartilhamento de viagens percorridas no estado sejam livres de emissões até 2030. Empresas como Lyft e seu principal concorrente, Uber, não compram os carros que seus motoristas usam, pois consideram que os motoristas sejam “contratados independentes” que fornecem seus próprios veículos.

     Mas uma regra como a Prop 30, que tornaria mais fácil para qualquer pessoa na Califórnia comprar um carro elétrico, incluindo os motoristas do Lyft.

    Sem os incentivos financeiros apoiados pelo estado da Prop 30 para veículos elétricos, a Lyft pode ser forçada a subsidiar as compras de veículos elétricos de seus motoristas com seus próprios fundos, dizem os oponentes.

    Mas ser bom para uma indústria ou empresa específica não significa que uma lei também não seja benéfica para o bem-estar geral, apontam os proponentes. A lei ajudaria todos os tipos de californianos de baixa renda a comprar e carregar veículos elétricos, não apenas motoristas de carona compartilhada.

    A Lyft encaminhou perguntas sobre seu apoio à proposta a Steven Maviglio, consultor político que faz campanha pela proposta. A empresa gastou quase US$ 50 milhões para fazer campanha pela proposta, mostram os registros.

    É mais difícil do que deveria ser para os motoristas de veículos elétricos encontrar carregadores disponíveis na Califórnia no momento, disse Maviglio em entrevista à CNN Business. E os carros elétricos são muito caros para os moradores de baixa renda, então o apoio financeiro é necessário, especialmente com a proibição da venda de carros a gasolina no futuro.

    “Vai ser mais difícil para aqueles que não podem comprar os carros”, disse Maviglio.

    Califórnia é líder americano de carros elétricos

    Mas há dúvidas reais sobre se tal lei é necessária em um estado que já apoia fortemente os veículos elétricos.

    “A Califórnia tem priorizado a eletrificação nos últimos 10, 15 anos”, disse Bruce Babcock, professor de políticas públicas da Universidade da Califórnia Riverside. “E, então, eles estão realmente tentando fazer isso direito e estão financiando as coisas.”

    Enquanto os defensores da Proposição 30 apontam que ela fornece um fluxo de financiamento seguro para veículos elétricos, os oponentes dizem que isso não é necessariamente desejável e pode, intuitivamente, não dar às vendas de carros elétricos o impulso que os apoiadores estão procurando.

    “O trabalho da legislatura é priorizar os gastos dadas as demandas concorrentes”, disse Babcock. “E então o que vai acontecer é, de repente, você começar a ter uma fonte de financiamento dedicada. O que isso fará é tirar a pressão da legislatura e eles apenas financiarão menos”.

    Assim como uma família que recebe dinheiro para comprar, especificamente, produtos lácteos provavelmente gastaria menos de seu próprio dinheiro em leite e manteiga, essa lei pode acabar não resultando em substancialmente mais dinheiro para VEs.

    “Não sei se haveria um ganho líquido”, disse Babcock, “mas não seria tão grande quanto dizem os patrocinadores”.

    E um adicional de 1,75% sobre a renda acima de US$ 2 milhões pode não parecer muito – afinal, não são pessoas que sobrevivem com seus parcos salários – mas seria cobrado por um estado que já depende muito do dinheiro de seus moradores mais ricos, disse Babcock.

    “Acho que é uma preocupação porque a Califórnia recebe mais da metade de seu imposto de renda do meio por cento mais rico dos contribuintes”, disse ele.

    Outros estados, como Texas e Flórida, tributam os ricos a taxas muito mais baixas ou nada. Ao continuar a recorrer aos ricos para financiar o orçamento do estado, a Califórnia corre o risco de alienar empresários e investidores, disse Babcock, em um estado com mais do que seu quinhão de ambos. Mas aparentemente nenhum êxodo em grande escala aconteceu, disse Maviglio.

    “Temos quatro vezes mais pessoas ganhando US$ 2 milhões ou mais no estado do que há cinco anos”, disse ele. “Então essa categoria de pessoas não está deixando o estado por causa dos impostos. Eles estão indo, na verdade, muito melhor.”

    A objeção mais crucial, porém, disse Matthew Rodriguez, consultor político que lidera uma campanha contra a Proposição 30, é simplesmente o precedente que ela abre.

    As corporações que querem que certas leis sejam aprovadas podem passar pelo processo legislativo, conversando com representantes eleitos na legislatura, em vez de tentar colocar novas leis nas urnas.

    Lyft já passou por esse caminho antes. Fazia parte de uma coalizão de empresas que, por meio de outra iniciativa de votação, evitou ter que classificar seus trabalhadores temporários no estado como empregados. Essa medida de votação foi contestada no tribunal.

    “Se isso passar, será um grande sinal para que todas as corporações digam, ‘Bem, por que eu fiz isso?’”, disse ele.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original