Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Por que a compra do Twitter por Elon Musk é um grande negócio

    Acordo levanta preocupações a respeito do futuro da rede social e sua influência no discurso público

    Elon Musk e Twitter
    Elon Musk e Twitter SOPA Images/LightRocket via Gett

    Brian Fungdo CNN Business

    Elon Musk deve assumir o controle do Twitter em um acordo de US$ 44 bilhões que, pelo menos a julgar por algumas das reações, parece que poderia remodelar a internet como a conhecemos.

    O Twitter pode parecer bastante comum no papel. A base de usuários e o valor de mercado da empresa são menos de um décimo do tamanho da Meta, empresa controladora do Facebook.

    Sua receita total no ano passado foi aproximadamente a mesma da Western Union. E antes deste mês, as ações do Twitter estavam abaixo do preço de fechamento desde seu primeiro dia de negociação há mais de oito anos.

    Mas a tentativa de Musk de tornar a rede social uma empresa de capital privado inspirou contribuições não solicitadas de legisladores dos EUA, especulações desenfreadas sobre seu impacto nas eleições presidenciais de 2024 e até comparações hiperbólicas com os últimos dias da Alemanha de Weimar.

    Então, por que, exatamente, as apostas parecem tão grandes? A resposta se resume à enorme influência do Twitter no discurso público e à incerteza do que acontece quando o homem mais rico do mundo – que se diverte com sua imprevisibilidade – ganha controle singular sobre essa influência.

    Embora o Twitter tenha relatado apenas 217 milhões de usuários diários ativos no ano passado, muito longe dos bilhões relatados pelo rival Meta, seus usuários incluem políticos altamente influentes, líderes empresariais, artistas, ativistas e intelectuais – figuras públicas com grandes seguidores que, por sua vez, moldam o discurso público em torno da política, mídia, finanças e tecnologia.

    Mais de dois terços dos usuários do Twitter nos EUA dizem que a plataforma é uma importante – se não a mais importante – fonte de notícias, de acordo com o Pew Research Center. E o poder de definição de agenda do Twitter parece ser precisamente o que interessa a Musk e o que torna seu controle da plataforma tão potencialmente perturbador.

    O acordo de Musk para comprar o Twitter está na confluência de vários debates sociais em andamento, inclusive sobre o poder e a influência dos bilionários; o impacto da desinformação; e as responsabilidades que as plataformas de tecnologia devem a seus usuários e à sociedade, e quais novos regulamentos devem apoiá-los.

    Ao se tornar o dono do Twitter, Musk de repente reuniu muitos desses tópicos em um só, exatamente quando os legisladores de todo o mundo parecem prestes a tomar algumas decisões muito importantes sobre como as mídias sociais devem funcionar.

    “Sua compra do Twitter torna um serviço essencial ainda menos transparente e mais irresponsável”, disse Adam Connor, ex-funcionário do Facebook e vice-presidente de política de tecnologia do Center for American Progress. “A tomada de Musk no Twitter é uma luz vermelha piscando sobre o perigo da centralização de nossos espaços online nas mãos de alguns bilionários”. Musk não respondeu aos pedidos de comentários a respeito.

    Musk assume o controle da praça digital da cidade

    Musk, um bilionário excêntrico com um histórico de polêmica dentro e fora do Twitter, apresentou pessoalmente a aquisição em uma retórica crescente. Ele argumentou com a característica bombástica que o Twitter, e sua tentativa de possuí-lo, “é extremamente importante para o futuro da civilização” porque o mundo precisa de uma praça digital “inclusiva” que respeite os princípios da liberdade de expressão.

    A principal crítica de Musk sobre o Twitter hoje é que ele é muito restritivo. Sob sua propriedade, Musk sugeriu, o Twitter trataria o conteúdo de forma mais permissiva, evitando remoções de conteúdo e banimentos de contas. Ele também propôs abrir o algoritmo do Twitter para revisão pública para que, em teoria, os usuários pudessem entender como ele toma decisões.

    O que isso significa para a aplicação diária de conteúdo do Twitter não está totalmente claro; Musk evitou entrar em detalhes, e sua objeção à abordagem da rede social parece mais enraizada na quantidade de moderação de conteúdo que o Twitter precisa, em vez da necessidade dela.

    Mas sua estruturação do acordo e parte da reação de pessoas de fora transformaram a proposta em uma espécie de referendo sobre o futuro do discurso online.

    Uma das maiores questões subjacentes nesta categoria, expressa por observadores da indústria, figuras políticas e funcionários do Twitter, é se a empresa restaurará os privilégios da conta de Trump.

    O político teria dito que não retornará ao Twitter, mesmo que seja autorizado a voltar à plataforma. Mas o relaxamento da aplicação dos tipos de políticas que o baniram pode afetar muito mais do que apenas Trump.

    Várias figuras que tiveram contas banidas do Twitter comemoraram o acordo na segunda-feira (25), com algumas como a deputada Marjorie Taylor Greene expressando otimismo de que em breve seu acesso possa ser totalmente restaurado.

    “Este possível acordo é muito mais do que o futuro do Twitter”, disse Angelo Carusone, presidente da Media Matters, um grupo de vigilância que pediu ao Twitter que mantenha suas regras atuais de plataforma. “Uma venda para Elon Musk sem quaisquer condições poluirá todo o ecossistema de informações, abrindo as comportas do ódio e das mentiras”.

    Tudo isso ocorre no exato momento em que todos, do ex-presidente Barack Obama aos legisladores da União Europeia, propuseram manter as plataformas de mídia social com um padrão mais rígido de moderação de conteúdo, não a abordagem mais “livre” preferida por Musk.

    Para uma plataforma da importância do Twitter, diminuir a moderação de conteúdo pode ter consequências enormes tanto para a maneira como os usuários individuais experimentam o site – especialmente seus usuários mais vulneráveis, incluindo mulheres, comunidade LGBTQ e pessoas negras – quanto para os diálogos nacionais e internacionais que jogam na plataforma e influenciam os eventos mundiais.

    O crescente império de Musk

    Há também o impacto potencial do acordo na influência pessoal de Musk, particularmente relacionado a duas de suas outras empresas, Tesla e SpaceX.

    Presumindo que o acordo seja concluído, Musk supervisionará a mais valiosa empresa automobilística americana, um importante negócio aeroespacial privado, uma empresa de túneis recentemente avaliada em mais de US$ 5 bilhões, uma startup de chips cerebrais e uma rede social com centenas de milhões de usuários.

    Não apenas Musk pode usar seu poder sobre o Twitter para garantir que a plataforma lhe dê o máximo de liberdade para twittar como achar melhor, mas a aquisição lhe dá uma nova influência política, como apenas um bilionário pode adquirir, o que poderia beneficiar alguns de seus outros negócios.

    A posição de Musk sobre moderação de conteúdo já o atraiu para conservadores, incluindo o governador da Flórida Ron DeSantis e mais de uma dúzia de republicanos da Câmara, que pressionaram o conselho do Twitter a aceitar o acordo sugerindo que uma rejeição poderia ser considerada uma traição aos interesses dos acionistas.

    Vários governadores republicanos também disseram que Musk deveria considerar a mudança da sede do Twitter para seus estados.

    Além de ganhar credibilidade com determinados políticos, alguns, incluindo um dos rivais mais importantes de Musk, sugeriram que o CEO da Tesla também pode ganhar uma valiosa moeda de barganha no Twitter.

    “O governo chinês acabou de ganhar um pouco de influência sobre a praça da cidade?” O fundador e presidente executivo da Amazon, Jeff Bezos, comentou no Twitter.

    Bezos, cuja empresa de foguetes e turismo espacial Blue Origin compete com a SpaceX de Musk, acrescentou que, embora acredite que a perspectiva de censura direta do Twitter na China seja baixa, a propriedade do Twitter de Musk certamente pode significar mais “complexidade” para a Tesla na China, que agora é um dos maiores mercados da montadora.

    Mesmo que o Twitter de Musk rejeite os pedidos de censura de regimes autoritários, ele pode fazer outras concessões. Como observou Brad Stone, da Bloomberg, o Twitter tem uma política de rotular organizações de mídia estatais e contas governamentais, e não promovê-las em recomendações. “O governo chinês certamente odeia essas restrições”, escreveu Stone.

    Agora imagine essa lógica transacional aplicada a qualquer situação em que os interesses de Musk colidam com outros, o que tende a acontecer com frequência. Musk brigou com jornalistas, legisladores e até mesmo com a Securities and Exchange Commission.

    Musk iria tão longe a ponto de usar sua propriedade do Twitter como uma ferramenta para favores e acerto de contas? Na segunda-feira, Musk deu uma dica contrária ao dizer que espera que “até meus piores críticos permaneçam no Twitter, porque é isso que significa liberdade de expressão”.

    Claro, nada disso constitui uma promessa para seus críticos – e Musk já era conhecido por mudar abruptamente de rumo antes.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original