Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Preço médio do etanol cai 2,43% no país, diz levantamento semanal da ANP

    Nos postos pesquisados pela ANP em todo o país, média de preços foi de R$ 4,520 para R$ 4,410 o litro

    Preço mínimo registrado na semana para o etanol em um posto foi de R$ 3,390 o litro, em Minas Gerais
    Preço mínimo registrado na semana para o etanol em um posto foi de R$ 3,390 o litro, em Minas Gerais 30/03/2022 REUTERS/Gonzalo Fuentes

    Agência Estado

    do Estadão Conteúdo

    Os preços médios do etanol hidratado caíram nos 26 Estados e no Distrito Federal na semana passada, de acordo com levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) compilado pelo AE-Taxas.

    Nos postos pesquisados pela ANP em todo o país, o preço médio do etanol recuou 2,43% na semana em relação à anterior, de R$ 4,520 para R$ 4,410 o litro.

    Em São Paulo, principal estado produtor, consumidor e com mais postos avaliados, a cotação média caiu 2,14%, de R$ 4,210 para R$ 4,120 o litro.

    Roraima foi a unidade da Federação com maior recuo porcentual de preços na semana, de 9,80%, de R$ 6,120 para R$ 5,520 o litro.

    O preço mínimo registrado na semana para o etanol em um posto foi de R$ 3,390 o litro, em Minas Gerais. Já o preço máximo na semana foi registrado no Rio Grande do Sul, a R$ 7,890 o litro.

    O menor preço médio estadual foi observado em Mato Grosso, de R$ 3,91 o litro, enquanto o maior preço médio estadual foi verificado no Amapá, de R$ 6,01.

    Na comparação mensal, o preço médio do biocombustível no país caiu 11,84%. O estado com maior baixa porcentual no período foi Mato Grosso, com 19,73% de desvalorização mensal do etanol.

    Competitividade

    O etanol manteve-se mais competitivo do que a gasolina em apenas dois Estados, na semana passada: Mato Grosso e São Paulo. É o que mostra o levantamento da ANP compilado pelo AE-Taxas.

    Os critérios consideram que o etanol de cana ou de milho, por ter menor poder calorífico, tenha um preço limite de 70% do derivado de petróleo nos postos para ser considerado vantajoso.

    Em Mato Grosso, a paridade é de 64,63%, enquanto em São Paulo atinge 69,95%. Na média dos postos pesquisados no País, o etanol está com paridade de 72,65% ante a gasolina, portanto menos favorável do que o derivado do petróleo.

    Executivos do setor afirmam que o etanol pode ser competitivo com paridade maior do que 70% a depender do veículo em que o biocombustível é utilizado.

    Estados reduzem ICMS

    Pelo menos nove estados e o Distrito Federal anunciaram a redução da alíquota do ICMS sobre o etanol nesta segunda-feira (18).

    Os cortes ocorrem em importantes mercados para o biocombustível que concorre com a gasolina.

    Os estados que anunciaram a redução são: São Paulo, Minas Gerais, Pernambuco, Goiás, Paraná, Roraima, Espírito Santo, Bahia e Paraíba, além do Distrito Federal.

    Em São Paulo, maior mercado consumidor e produtor de etanol do Brasil, a cobrança do imposto estadual caiu de 13,3% para 9,57%.

    A estimativa do governo paulista é de que o corte leve a uma queda de 17 centavos no litro do etanol nas bombas.

    A redução em São Paulo terá impacto de R$ 563 milhões na arrecadação até o fim do ano, com uma renúncia de receita estimada em R$ 125,1 milhões ao mês.

    Em Minas Gerais, segundo estado a anunciar a redução pela manhã desta segunda, o ICMS para o biocombustível foi reduzido de 16% para 9%.

    Conforme previsto na PEC dos Benefícios, que incorporou a PEC dos Biocombustíveis, os preços do etanol devem ser competitivos em relação aos outros combustíveis.

    No entanto, segundo a analista de economia da CNN Priscila Yazbek, integrantes do setor dizem que a redução do ICMS pode não ser repassada totalmente, pois as empresas querem recompor parte das margens perdidas recentemente.