Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Preços do petróleo caem 2% com expectativa de alta nos juros dos principais BCs

    Futuros do Brent para entrega em março caíram 1,76 dólar, ou 2,03%, para 84,90 dólares o barril

    Investidores esperam que o Federal Reserve dos EUA aumente as taxas em 25 pontos-base na quarta-feira (1º)
    Investidores esperam que o Federal Reserve dos EUA aumente as taxas em 25 pontos-base na quarta-feira (1º) FOTO DE ARQUIVO: Campo de petróleo Shengli, operado pela Sinopec, em Dongying, província de Shandong, China. 12 de janeiro de 2017. REUTERS/Chen Aizhu/Arquivo

    Por Arathy Somasekhar, da Reuters

    Os preços do petróleo caíram 2% nesta segunda-feira (30), ampliando as perdas, já que os aumentos iminentes das taxas de juros pelos principais bancos centrais do mundo pesaram sobre a demanda e as exportações russas permaneceram fortes.

    Os investidores esperam que o Federal Reserve dos EUA aumente as taxas em 25 pontos-base na quarta-feira (1º), seguido no dia seguinte por aumentos de meio ponto pelo Banco da Inglaterra e pelo Banco Central Europeu. Qualquer desvio desse roteiro seria um choque.

    “Estamos vendo um sentimento de ‘recuo do risco’ nas últimas duas semanas com ideias de que taxas de juros mais altas podem desacelerar a demanda mais rapidamente”, disse Dennis Kissler, vice-presidente sênior de negociação da BOK Financial.

    Os futuros do Brent para entrega em março caíram 1,76 dólar, ou 2,03%, para 84,90 dólares o barril. O petróleo nos EUA (WTI) caiu 1,78 dólar para 77,90 dólares por barril, uma queda de 2,23% – seu declínio mais acentuado em quase quatro semanas.

    O mercado também foi pressionado por indicações de forte oferta russa, apesar da proibição da União Europeia e do teto de preço do G7 imposto por causa da invasão da Ucrânia. Ambos os benchmarks de petróleo registraram na semana passada sua primeira perda semanal em três.

    Além das reuniões do banco central, uma reunião na quarta-feira dos principais ministros do grupo Opep+, formado pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e aliados liderados pela Rússia, também estará em foco.