Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Produção de gás natural no Brasil em 2021 atinge recorde após alta de 5%

    Boletim da ANP aponta que produção de petróleo caiu 1,18% no mesmo ano

    João Pedro Malardo CNN Brasil Business

    em São Paulo

    A produção de gás natural no Brasil em 2021 atingiu novo recorde, com uma média de 134 milhões de metros cúbicos produzidos por dia (MMm³/d), segundo dados divulgados pela Agência Nacional de Petróleo e Gás (ANP) nesta quinta-feira (3).

    O valor representa um crescimento de 5% em relação a 2020, quando a produção foi de 127 MMm³/d.

    Por outro lado, a produção média de petróleo caiu 1,18% em relação a de 2020, com 2.905 milhões de barris por dia (MMbbl/d) ante 2.940.

    No mês de dezembro, a produção nacional de óleo foi de 3.670 milhões de barris de óleo equivalente por dia (MMboe/d), sendo que a produção de petróleo teve queda de 0,5% ante novembro e a de gás natural, recuo de 3,2%. Na comparação com dezembro de 2020, as duas produções subiram.

    No caso do pré-sal, em que a extração ocorre em níveis de grande profundeza, a produção em dezembro foi de 2,132 MMbbl/d de petróleo e 91,6 MMm³/d de gás natural, totalizando 2,709 MMboe/d. Na comparação com novembro, a redução foi de 0,2%, mas houve alta de 11,5% em relação a dezembro de 2020. A produção ocorreu em 133 poços, correspondendo a 73,8% do total nacional.

    Em relação à origem de produção, 97% do petróleo foi produzido em dezembro em campos marítimos, assim como 84,4% do gás natural. Os campos operados pela Petrobras produzirem 93% do petróleo e gás natural do Brasil.

    A maior parte do gás natural foi extraído do Rio de Janeiro, estado que concentra 65% das reservas brasileiras privadas do produto. A participação do estado avançou dos 55,8% de 2020 para 64%.

    No mesmo período, a participação do estado de São Paulo recuou de 15% para 12,4%, e a do Amazonas, de 12,5% para 10,2%. Os dois são, respectivamente, o segundo e o terceiro maiores produtores brasileiros de gás natural. Quarto da lista, o Maranhão ampliou sua participação, de 3,1% para 4,4%.

    A maior parte da produção continua na Bacia de Santos, responsável por 68,1% do gás brasileiro.

    O destaque de produção em dezembro foi o campo de Tupi, localizado no pré-sal da Bacia de Santos. Ele foi o maior produtor de petróleo e gás, com 864 MMbbl/d e 41 MMm³/d, respectivamente, e foi o campo com mais poços produtores, 58. Na produção terrestre, o destaque foi o campo de Estreito, na Bacia Potiguar, com 952 poços.

    Em relação às concessões, em dezembro 273 áreas concedidas, quatro de cessão onerosa e seis de partilha foram responsáveis pela produção nacional, operadas por 40 empresas. Das áreas, 61 são marítimas, e 222 terrestres. A produção ocorreu em 6.247 poços, sendo 484 marítimos e 5.763 terrestres.

    Do total produzido, 2,4% foi considerado óleo leva, 92,5%, óleo médio e 5,1%, óleo pesado.

    Com informações de Stéfano Salles, da CNN