Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Redução de 7% no preço da gasolina para distribuidoras passa a valer nesta sexta

    Valor passa de R$ 3,53 para R$ 3,28; nas bombas, parcela da Petrobras recua R$ 0,18

    Tamara Nassifdo CNN Brasil Business*

    em São Paulo

    Começa a valer nesta sexta-feira (2) a redução de 7,08% no preço da gasolina tipo A vendida para distribuidoras, conforme anunciado pela Petrobras na quinta. Agora, o preço passa de R$ 3,53 para R$ 3,28 por litro.

    Nas bombas, a parcela da Petrobras passará de R$ 2,57, em média, para R$ 2,39 por litro, considerando que a gasolina comercializada nos postos tem 27% de etanol anidro na composição.

    Esse é o quarto corte consecutivo da petroleira em menos de dois meses, em alinhamento à política de paridade internacional de preços e à flutuação do valor do barril de petróleo.

    Em nota, a companhia afirmou que a “redução acompanha a evolução dos preços de referência e é coerente com a prática de preços da Petrobras, que busca o equilíbrio dos seus preços com o mercado, mas sem o repasse para os preços internos da volatilidade conjuntural das cotações internacionais e da taxa de câmbio”.

    Dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP), divulgados no sábado (27), têm indicado sucessivas quedas no preço médio da gasolina vendida nos postos.

    Na semana encerrada no dia 27 de agosto, o combustível era negociado, em média, a R$ 5,25 por litro — menor valor desde fevereiro de 2021.

    De acordo com analistas, a queda de 2,27% nos preços ao consumidor vista na semana passada, a nona consecutiva segundo anunciado pela ANP, é reflexo de dois principais fatores: a redução dos preços praticados pela Petrobras no repasse às distribuidoras e o corte da alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) que incide sobre o produto.

    A redução do tributo foi sancionada no final do mês de junho pelo presidente Jair Bolsonaro (PL), em projeto de lei que prevê teto da alíquota do ICMS entre 17% e 18%. Até o começo de julho, todos os 26 estados da União e o Distrito Federal já estavam em conformidade à medida.

    *Sob supervisão de Ana Carolina Nunes.