Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Reino Unido oferece 1 bilhão de libras às empresas mais atingidas pela Ômicron

    Primeiro-ministro Boris Johnson disse que não havia evidências suficientes para justificar novas restrições com relação ao coronavírus na Inglaterra

    William SchombergJames Daveyda Reuters

    São Paulo

    O Reino Unido anunciou nesta terça-feira (21) 1 bilhão de libras (US$ 1,3 bilhão) de apoio extra para as empresas mais afetadas pela onda de casos de coronavírus da variante Ômicron, que está afetando o setor de hospitalidade do país e outros negócios.

    O ministro das Finanças, Rishi Sunak, disse estar confiante de que as medidas ajudarão centenas de milhares de empresas. Mas acrescentou que “responderia proporcional e apropriadamente” se o governo impusesse mais restrições à redução da velocidade da nova variante.

    Por enquanto, os negócios de hospitalidade na Inglaterra não estão sujeitos a nenhuma nova restrição legal, apesar do aumento de 60% nos casos de Covid-19 na semana passada, que elevou o número de infecções para cerca de 90 mil por dia.

    Bares e restaurantes na Escócia estarão restritos ao serviço de mesa apenas a partir de 27 de dezembro e as celebrações públicas da véspera de Ano Novo serão canceladas.

    O primeiro-ministro Boris Johnson disse que não havia evidências suficientes para justificar novas restrições com relação ao coronavírus na Inglaterra antes do Natal, mas a situação permaneceu extremamente difícil e o governo pode precisar agir depois.

    “Não podemos descartar outras medidas depois do Natal”, disse ele. “Continuamos monitorando a Ômicron de perto e, se a situação se agravar, estaremos prontos para agir, se necessário.”

    Sob o apoio anunciado na terça-feira, as empresas de hotelaria e lazer na Inglaterra serão elegíveis para bolsas de até 6 mil libras para cada uma de suas instalações, respondendo por quase 700 milhões de libras do novo pacote.

    Os subsídios foram equivalentes aos concedidos a empresas de hospitalidade quando foram totalmente fechadas neste ano, disse o ministério das finanças.

    Mas, ao contrário do que ocorreu no início da pandemia, não haverá ajuda governamental extra para trabalhadores que perderam seus empregos ou tiveram suas horas cortadas. O Ministério das Finanças do Reino Unido disse que as vagas de emprego eram 50% maiores do que antes da pandemia.

    Um fundo para apoiar organizações culturais seria aumentado em 30 milhões de libras, enquanto 100 milhões de libras iriam para autoridades locais inglesas para medidas de apoio às empresas e 150 milhões de libras para governos na Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte.

    Além de 1 bilhão de libras, o ministério das finanças disse que cobriria o custo do auxílio-doença legal para ausências relacionadas ao coronavírus, de até duas semanas por funcionário, para empresas de pequeno e médio porte em todo o Reino Unido.

    O Reino Unido tomou emprestado mais de 300 bilhões de libras no último ano financeiro para ajudar a compensar o golpe para a economia do coronavírus e os bloqueios do governo.

    Falta de ajuda para os trabalhadores

    Números do órgão comercial UKHospitality publicados na última segunda-feira (20) mostraram uma queda de 40% nas receitas no fim de semana e profunda tristeza sobre as perspectivas para a véspera de ano novo.

    “Este é um pacote generoso com base nas medidas existentes de apoio à hospitalidade para fornecer uma injeção de dinheiro de emergência imediata para aquelas empresas que, sem culpa própria, viram seu período comercial mais valioso aniquilado”, disse a executiva-chefe do UKHospitality, Kate Nicholls.

    No entanto, a falta de ajuda para os trabalhadores do setor de hospitalidade foi criticada pelo think tank da Resolution Foundation, que disse que os trabalhadores mal pagos que perderiam seus empregos sofreriam uma queda de 70% na renda, em comparação com uma queda de 20% na licença.

    “A escala de apoio às empresas é suficiente apenas para o melhor cenário de uma onda repentina (da Ômicron), enquanto a falta de novo apoio para os trabalhadores deixa muitos em risco de grandes quedas de renda nas próximas semanas”,  afirmou o chefe da Fundação Resolução economista Mike Brewer.