Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ronaldinho, Faraó das Bitcoins, donos da 123milhas: confira a lista com 45 pedidos de indiciamento da CPI das Pirâmides Financeiras

    Além dos pedidos de indiciamento, o relatório faz sugestões de um projeto de lei para pedir a segregação patrimonial e conta individualizada para cada cliente nas empresas de cripto

    123milhas suspendeu todas as passagens promocionais da linha Promo com embarque previsto entre setembro e dezembro de 2023
    123milhas suspendeu todas as passagens promocionais da linha Promo com embarque previsto entre setembro e dezembro de 2023 LUIS LIMA JR/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

    Marcos AmorozoDaniel Trevorda CNN

    Brasília

    O relatório final da CPI das Pirâmides Financeiras apresentado nesta segunda-feira (09) sugere ao Ministério Público o indiciamento de 45 pessoas, incluindo o ex-jogador de futebol Ronaldinho Gaúcho, Glaidson Acácio Dos Santos, conhecido como “Faraó das Bitcoins” e oito pessoas da diretoria da 123milhas.

    Entre os nomes da empresa de milhas aéreas, estão os irmãos e sócios Ramiro Júlio Soares Madureira e Augusto Júlio Soares Madureira. A CNN tenta contato com a defesa dos citados.

    Em nota, os advogados de Ronaldinho Gaúcho afirmou que inexiste qualquer mínimo indício de prova de qualquer ilícito e CPI sequer se preocupou em ouvir os proprietários da empresa 18K. “Trata-se de tentativa de ganhar os holofotes através de nomes de personalidades.”

    O relator deputado Ricardo Silva (PSD-SP) afirma que os pedidos de indiciamentos aconteceram depois de ficar provado que essas pessoas estavam “ligadas a esquemas criminosos em relação aos quais temos fortes indícios de que a pirâmide financeira/esquema ponzi continue em atividade”.

     

     

    Além dos pedidos de indiciamento, o relatório faz sugestões de um projeto de lei para pedir a segregação patrimonial (separação dos ativos das empresas e dos clientes) e conta individualizada para cada cliente nas empresas de cripto.

    O relator também sugere projetos para regular o mercado de compra e venda de pontos de fidelidades das empresas aéreas, conhecidas como “milhas”, e disciplinar a contratação de influenciadores digitais para qualquer tipo de anúncio ou propaganda relativa a ativos virtuais.

    À CNN, o presidente da comissão, deputado Aureo Ribeiro (Solidariedade-RJ), afirmou que o seu objetivo é apresentar e votar o relatório ainda nesta segunda.

    Originalmente, o prazo da CPI se encerraria no dia 28 de setembro, mas teve que ser prorrogada já que os integrantes da comissão tiveram mais um suposto crime para investigar: o calote da 123milhas.

    123milhas

    No dia 29 de agosto de 2023, a 123milhas protocolou no Tribunal de Justiça de Minas Gerais um pedido de recuperação judicial. A empresa cancelou unilateralmente pacotes de viagens da chamada linha promo. Enquanto os sites das empresas aéreas vendem passagens com até 365 dias, as passagens da linha promo da 123 milhas eram vendidas com datas flexíveis para um prazo de 2 anos e oferecendo descontos tentadores.

    A ideia, segundo os sócios Ramiro Júlio Soares Madureira e Augusto Júlio Soares Madureira, em depoimento na CPI, era que o mercado de passagens aéreas tivesse uma queda nos preços, o que segundo eles não aconteceu. Ainda segundo eles, a empresa vinha arcando com prejuízo dos primeiros clientes da linha promo, mas com a manutenção dos preços altos das passagens, a empresa decidiu cancelar unilateralmente todos os pacotes já vendidos.

    A lista de credores da 123 milhas ultrapassa 700 mil pessoas, dos quais a maioria é consumidor. As dívidas somam R$ 2,3 bilhões.

    Veja a lista de indiciados:

    • Glaidson Acácio dos Santos
    • Mirelis Yoseline Diaz Zerp
    • Thiago Farias de Araújo Souza
    • Tunay Pereira Lima
    • Marcia Pinto dos Anjos
    • Eliane Medeiros de Lima
    • Adriano Froes
    • Antonio Inácio da Silva Neto
    • Fabrícia Farias Campos
    • Ronaldo de Assis Moreira
    • Roberto de Assis Moreira
    • Marcelo Lara
    • Glaidson Tadeu Rosa
    • Carlos Eduardo de Lucas
    • Christian Jardiel Guimarães Braz
    • Fernando Fernandes Gomes
    • Fransciley Valdevino da Silva
    • Paulo Alberto Wendel Bau Segarra
    • Caio Almeida Lima
    • Ricardo Stradiotto
    • Gleidison da Costa Gonçalves
    • Matheus Muller Ferreira de Abreu
    • Regis Lippert Fernandes
    • Francisco Daniel Lima de Freitas
    • Ngelo Ventura da Silva
    • Tassia Fernanda da Paz
    • Rodrigo Marques dos Santos
    • Fabrício Spiazzi Sanfelice Cutis
    • Diorge Roberto de Araujo Chaves
    • Diego Ribeiro Chaves
    • Fabiano Lorite de Lima
    • Patrick Abrahão
    • Ivonelio Abrahão da Silva
    • Ramiro Julio Soares Madureira
    • Augusto Julio Soares Madureira
    • Cristiane Soares Madureira do Nascimento
    • Tania Silva Santos Madureira
    • Larissa Rodrigues Garcia Goulart Ferreira
    • Antonia Cristina Soares Madureira
    • José Augusto Madureira
    • Rogério Júlio Soares Ferreira
    • Thiago Sarandy de Carvalho
    • Daniel Ferreira de Sousa Mangabeira Dantas
    • Changpen Zhao
    • Guilherme Haddad Nazar

    Em nota, a defesa de Ronaldinho disse que inexiste qualquer indício de prova de ilícito. “A CPI sequer se preocupou em ouvir os proprietários da empresa 18K. Trata-se de tentativa de ganhar os holofotes através de nomes de personalidades”.

    Também em nota, a 123milhas negou “veementemente que tenha atuado como pirâmide financeira ou que sua atuação possa sequer ser comparada à de uma instituição financeira”.

    “É leviana ainda a afirmação de que sócios e parentes realizaram movimentações financeiras ilícitas ou ocultação de patrimônio, assim como as acusações infundadas sobre as condições financeiras da empresa nos últimos quatro anos. Seus balanços, declarações fiscais sempre foram transparentes, legítimos e regulares”, informou.

    A CNN tenta contato com a defesa dos demais citados.

    Veja também: Ronaldinho Gaúcho diz à CPI das Criptomoedas que irá prestar depoimento