Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Lojas da Apple de Nova York ficam sem filas para Natal em meio à crise na China

    Por conta de paralisações em fábricas da China, Apple fica sem Iphone 14, último lançamento da marca

    Agência Estado

    Aline Bronzati, correspondente, do Estadão Conteúdo

    É quase Natal. Enquanto as ruas de Nova York ficam mais cheias, a icônica loja da Apple na Quinta Avenida surpreende com um público bem abaixo dos padrões da época.

    O motivo é a falta dos recém-lançados iPhone 14 Pro e Pro Max. O consumidor pode até optar pela versão na cor roxa ou o de 128 GB, modelos menos requisitados, e ainda assim vai ter dificuldade de encontrá-los.

    Nas demais lojas da Apple, em Nova York e em Nova Jersey, a cena se repete. No site, a entrega está prevista só para o fim de dezembro, ou seja, depois do Natal. Questionado sobre o motivo da escassez do iPhone “top de linha”, um atendente da Apple da Quinta Avenida disse não ter informações.

    “Tivemos a paralisação na China, os protestos”, disse ele, sem se identificar. Quanto ao baixo movimento na principal loja da Apple em Nova York, ele é direto: “Não temos o principal produto para vender”.

    O bloqueio de uma fábrica da Foxconn na China, a principal fornecedora da Apple, devido à política de “covid zero” do país causou uma escassez de iPhones 14 Pro e Pro Max na principal data para compras nos Estados Unidos.

    Há exatamente um mês, a gigante emitiu um comunicado alertando que as restrições da Covid-19 afetaram temporariamente as principais instalações de montagem em Zhengzhou, na China. Na ocasião, afirmou que as remessas de ambos os modelos ficariam abaixo das expectativas de vendas e que as entregas levariam mais tempo.

    Impacto

    A escassez de iPhones 14 Pro e Pro Max não afeta só o comércio dos Estados Unidos. Analistas em Wall Street afirmam que o impacto é global e atinge mercados como a própria China, onde as vendas desses modelos podem encolher 50%, e países da Europa.

    O diretor de research da Wedbush Securities, Dan Ives, calcula que a Apple esteja perdendo em torno de US$ 1 bilhão por semana por conta da escassez de iPhones no trimestre mais importante para a companhia. “Há cerca de 10 milhões a 15 milhões de unidades em falta por causa do que estamos vendo na China”, disse. “É uma escassez sem precedentes.”

    Nos Estados Unidos, onde a situação é mais dramática, a escassez do iPhone 14 Pro e iPhone 14 Pro Max levou a uma corrida pelos modelos nas lojas da Apple. “Não sabemos quando receberemos novos estoques. Tem dias que recebemos, outros não”, disse o atendente da Apple, que sugere um monitoramento no site da empresa pela manhã.

    Após um dia inteiro de monitoramento no site, a busca por um modelo 14 Pro, de 256 GB, nos arredores de Nova York apontava a mesma resposta: “Não disponível hoje em 12 lojas mais próximas.”

    Diante de tamanha dificuldade, o The Wall Street Journal listou dicas valiosas para os “applemaníacos” garantirem o aparelho até o Natal. A primeira: esqueça o pretinho básico. Corra atrás de um iPhone 14 Pro roxo.

    Uma ronda feita pela reportagem do Broadcast/Estadão, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, na última semana identificou um único aparelho deste modelo e cor em uma loja em Nova York.

    Outras dicas incluem a caça por aparelhos em varejistas como BestBuy.com e Target ou nas operadoras de telefonia móvel AT&T, Verizon e T-Mobile.

    Se a procura é por um iPhone desbloqueado, uma saída é partir por um recondicionado, os chamados “refurbished”. É uma espécie de seminovo e um mercado bastante comum nos EUA quando se trata de eletrônicos ou eletrodomésticos.

    Para os analistas do Barclays, Tim Long e George Wang, apesar da dificuldade em encontrar um iPhone, a perda de participação da Apple para os modelos Android deve ser limitada. “Alguns clientes estão trocando para modelos básicos iPhone 13 ou 14 devido à escassez de modelos profissionais do iPhone 14?, dizem, em relatório.

    Alívio

    A Foxconn informou, na segunda-feira, que está fazendo esforços para normalizar as operações em sua principal fábrica de iPhone.

    De acordo com a empresa, além de realocar capacidade de produção para outras unidades, ela começou a “recrutar novos empregados” e prevê que o cenário para o quarto trimestre esteja próximo ao consenso do mercado.

    Os esclarecimentos foram dados em paralelo ao anúncio de seus números mensais. Em novembro, a receita da Foxconn despencou 29% ante outubro e 11% na comparação anual.

    “O uso o da planta provavelmente melhorará em dezembro, mas achamos que ainda deve estar abaixo de 50% de sua capacidade”, escreveram os analistas do Barclays. Atualmente, esse porcentual é de cerca de 30%.

    Diante das turbulências na China, a Apple acelerou seus planos de tirar o pé do país, segundo o The Wall Street Journal. A ideia da gigante da tecnologia é avançar para outros países da Ásia, como Índia e Vietnã. Ives, da Wedbush, calcula que de 40% a 50% da produção de iPhone poderia sair dessas duas nações até 2025.

    Em Wall Street, a escassez de iPhones segue pressionando as ações da Apple, que vêm registrando perdas. Na visão de Ives, o quadro deve começar a melhorar a partir do início do ano que vem. “Por enquanto, é uma nuvem negra que estará sobre o setor de tecnologia até o início de 2023”, prevê.

    Procurada, a Apple não se manifestou até a publicação deste texto.