Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Órgão pede que Tesla deixe que funcionários usem roupas de apoio a sindicato

    Conselho de relações trabalhistas dos EUA afirmou que qualquer tentativa de restringir o uso de roupas ou insígnias sindicais é presumivelmente ilegal

    Reuters

    O Conselho Nacional de Relações Trabalhistas disse na segunda-feira (29) que é ilegal a Tesla proibir os funcionários de usarem camisetas com insígnias do sindicato, decidindo em uma disputa de 2017 entre a fabricante de carros elétricos e o sindicato United Auto Workers.

    A presidente do NLRB, Lauren McFerran, disse que a decisão reafirma que “qualquer tentativa de restringir o uso de roupas ou insígnias sindicais é presumivelmente ilegal e — consistente com o precedente da Suprema Corte — um empregador tem um ônus maior para justificar tentativas de limitar esse importante direito”.

    Em uma decisão por 3 a 2, o NLRB disse que quando as empresas interferem nos direitos dos funcionários de exibir insígnias sindicais, o empregador “tem o ônus de estabelecer circunstâncias especiais” e a maioria “constatou que a Tesla não conseguiu estabelecer circunstâncias especiais neste caso”.

    A Tesla não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários.

    O UAW elogiou a decisão nesta terça-feira (30). “Esta é uma grande vitória para os trabalhadores que têm a coragem de se unir e se organizar em um sistema que atualmente está fortemente a favor de empregadores como a Tesla, que não têm escrúpulos em violar a lei”, disse a vice-presidente do UAW, Cindy Estrada, em comunicado.

    “Enquanto celebramos a justiça na decisão de hoje de um NLRB cada vez mais pró-trabalhador, também destaca as falhas substanciais na lei trabalhista dos EUA. Aqui está uma empresa que claramente tomou várias medidas agressivas e ilegais para bloquear os direitos dos trabalhadores, e ainda assim faltam mais de quatro anos para que os trabalhadores vejam um mínimo de justiça.”

    Além de decidir sobre o caso Tesla, o NLRB também reverteu uma decisão de 2019 da agência envolvendo o Walmart Inc, dizendo que a decisão anterior “ignorou décadas de precedentes do conselho”.

    A decisão anterior do NLRB havia dito que a justificativa do Walmart para restringir as insígnias do sindicato no salão de vendas para melhorar a experiência de compra do cliente e evitar roubo ou vandalismo era legítima.

    O NLRB em 2019, no entanto, reconheceu a possível interferência nos direitos dos funcionários sob a Lei Nacional de Relações Trabalhistas (NLRA).

    A decisão de 2019 estabeleceu um precedente para os empregadores de todo o país terem mais controle sobre a limitação do vestuário sindical.

    O Walmart não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

    O NLRB disse que alguns funcionários da Tesla que montam veículos elétricos em sua fábrica de Fremont, Califórnia, usavam camisetas com logotipos de sindicatos durante uma campanha de organização sindical do UAW em 2017.

    Naquela época, o UAW procurava representar os trabalhadores das instalações da Tesla em Fremont, que não são sindicalizados.

    A política de “roupa de equipe” da Tesla exigia que os funcionários usassem camisas pretas impressas com o logotipo da Tesla ou suas próprias camisetas pretas sem logotipo.

    O NLRB descobriu que isso proibia implicitamente que os funcionários substituíssem qualquer camisa por um logotipo ou emblema, incluindo uma camisa com a insígnia do sindicato.

    O NLRB disse que, antes de 2017, os funcionários da produção da Tesla usavam regularmente camisas que não eram pretas ou tinham logotipos e emblemas não relacionados à Tesla.

    Na segunda-feira, ordenou que a Tesla rescindisse sua política que proíbe os funcionários de usar camisas pretas do sindicato.

    Este não é o primeiro confronto entre Tesla e o NLRB.

    Em 2021, o NLRB disse que um tweet de 2018 do CEO Elon Musk, no qual ele ameaçava que os funcionários da Tesla que formassem um sindicato perderiam suas opções de ações, era ilegal e deveria ser excluído .

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original