Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Uber e Lyft pagarão multa de R$ 1,62 bilhão por salários atrasados nos EUA

    Empresas têm demorado para se enquadrar nas regulamentações que regem os serviços de táxi e se recusado a fornecer aos motoristas proteções e benefícios laborais básicos

    Ao todo, Uber pagará US$ 290 milhões (R$ 1,43 bilhão)
    Ao todo, Uber pagará US$ 290 milhões (R$ 1,43 bilhão) DeFodi Images via Getty Images

    do Estadão Conteúdo

    As empresas de transporte por aplicativo Uber e Lyft pagarão um total de US$ 328 milhões (cerca de R$ 1,62 bilhão, na conversão atual) para resolver reclamações de salários atrasados em Nova York, anunciou a procuradora-geral Letitia James nesta quinta-feira (2).

    A Uber pagará US$ 290 milhões (R$ 1,43 bilhão) e a Lyft US$ 38 milhões (R$ 188 milhões) e o dinheiro será distribuído a motoristas atuais e antigos, de acordo com a procuradora.

    As empresas também concordaram em fornecer licença médica remunerada aos motoristas fora da cidade de Nova York e dar aos motoristas um salário mínimo de US$ 26 (R$ 129) por hora.

    “Os motoristas de transporte compartilhado trabalham a qualquer hora do dia e da noite para levar as pessoas aonde elas precisam ir”, disse James em comunicado.

    “Durante anos, Uber e Lyft enganaram sistematicamente seus motoristas em centenas de milhões de dólares em salários e benefícios, enquanto estes trabalhavam longas horas em condições desafiadoras.”

    Tony West, diretor jurídico da Uber, disse que o acordo “ajuda a resolver a questão da classificação da Uber em Nova York e nos leva adiante com um modelo que reflete a maneira como as pessoas escolhem cada vez mais trabalhar”.

    Já o diretor de política da Lyft, Jeremy Bird, disse em um comunicado: “esta é uma vitória para os motoristas e estamos orgulhosos de tê-la alcançado com o escritório da Procuradoria-Geral de Nova York”.

    Uber e Lyft tornaram-se onipresentes em Nova York nos últimos anos. As empresas têm demorado para se enquadrar nas regulamentações que regem os serviços de táxi e têm se recusado a fornecer aos motoristas proteções e benefícios laborais básicos.

    Nova York foi a primeira cidade dos EUA a estabelecer um salário mínimo para os motoristas de aplicativos, que foram efetivamente classificados como prestadores de serviços independentes. A cidade também implementou um salário mínimo para serviços de entrega de comida por aplicativos, como o Uber Eats.

    “Esperamos oito longos anos para ver justiça para os nossos membros, uma força de trabalho que foi privada de melhores condições de vida, de refeições, descanso e lazer oportunos, porque os rendimentos que teriam proporcionado essa vida foram roubados por grupos multimilionários”, disse o diretor executivo da New York Taxi Workers Alliance, Bhairavi Desai, em um comunicado.

    Veja também: Saída da Uber do Brasil é “problema só dela”?

    Publicado por Amanda Sampaio, da CNN.