Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Veja 4 dos momentos mais inusitados da ascensão da WeWork, que pediu recuperação judicial

    Forte ascensão e queda da startup de coworking é mais recente incidente de grande repercussão que destruiu esse mito

    WeWork: startup aproveitou onda da era do dinheiro livre apoiado pelo capital de risco e viu seu pico de avaliação em cerca de US$ 47 bi desabar
    WeWork: startup aproveitou onda da era do dinheiro livre apoiado pelo capital de risco e viu seu pico de avaliação em cerca de US$ 47 bi desabar reprodução/redes sociais

    Catherine Thorbeckeda CNN

    A WeWork entrou oficialmente com pedido de falência esta semana, um destino aparentemente inevitável para a startup de coworking que já prometeu revolucionar o trabalho de escritório, mas vem se desfazendo lentamente há anos.

    Os excessos bem documentados do cofundador Adam Neumann durante os primeiros dias da WeWork já inspiraram um livro best-seller e uma minissérie repleta de estrelas.

    Carismático, Neumann vendeu a sua visão de construir uma comunidade e de contrariar a cultura tradicional do escritório a investidores, que investiram milhões na sua missão de “elevar a consciência do mundo”, como ele dizia frequentemente.

    A startup aproveitou a onda da era do dinheiro livre apoiado pelo capital de risco e viu seu pico de avaliação em cerca de US$ 47 bilhões desabar.

    Neumann acabou sendo deposto em 2019, mas saiu com um pára-quedas dourado multimilionário e agora está supostamente trabalhando no financiamento de uma nova startup pseudo-imobiliária.

    Mas outras pessoas ficaram gravemente prejudicadas pela queda da empresa. O lendário investidor do SoftBank, Masayoshi Son, desperdiçou bilhões tentando sustentar o WeWork, ao mesmo tempo em que sofreu danos incalculáveis à sua reputação. E muitos dos primeiros funcionários da WeWork, que trabalhavam com salários mais baixos porque recebiam opções de ações, acabaram sem nada.

    O setor tecnológico americano ao longo dos anos foi construído com base em muitos mitos, incluindo a ideia de que os fundadores são gênios visionários que podem prever tendências importantes com anos de antecedência. A forte ascensão e queda da WeWork é o mais recente incidente de grande repercussão que destruiu esse mito.

    Veja quatro dos momentos mais loucos da ascensão da WeWork, de acordo com as declarações da empresa e um best-seller sobre a companhia.

    Ficar chapado com maconha enquanto voa em jatos particulares

    Neumann tinha uma queda por maconha, disseram muitos ex-colegas, e parecia gostar especialmente de consumir maconha enquanto viajava em jatos particulares.

    No verão de 2019, Neumann e amigos fumavam maconha enquanto cruzavam o Oceano Atlântico em um jato particular Gulfstream G650 a caminho de Israel. Depois que o grupo pousou, a tripulação aparentemente encontrou “um pedaço considerável da droga enfiado em uma caixa de cereal para o voo de volta”, informou o Wall Street Journal, citando pessoas familiarizadas com o incidente.

    O proprietário do jato fez recall do avião devido a esta constatação, preocupado com as consequências do transporte transfronteiriço de maconha, deixando Neumann para encontrar seu próprio transporte de volta para Nova York.

    Neumann e seu círculo íntimo também deixariam aviões particulares cobertos de vômito, escreveram os repórteres Eliot Brown e Maureen Farrell em sua crônica da empresa, “O culto de nós: WeWork, Adam Neumann e a grande ilusão das startups”.

    Num dessas vezes, quando Neumann pilotava um jato particular, a fumaça da maconha era tão espessa que os tripulantes de cabine que trabalhavam no avião tiveram que colocar máscaras de oxigênio, de acordo com o livro.

    Misturando trabalho e tequila

    Neumann também gostava de tequila e não via problema em beber no escritório. (Parte do esforço da WeWork para atrair a geração do milênio incluiu cerveja à vontade e bares abertos montados em seus postos avançados de coworking.)

    Mas às vezes o álcool e as festas eram misturados ao trabalho de maneira impensada. Um relatório dizia que, poucas semanas depois de Neumann ter despedido cerca de 7% do seu pessoal em 2016, ele abordou os esforços de redução de custos durante uma sombria reunião geral, dizendo que era difícil, mas necessário, e que a empresa ficaria melhor por causa disso.

    Ele então, no entanto, fez com que funcionários carregando bandejas de copos de plástico cheios de tequila entrassem na sala e logo depois Darryl McDaniels do grupo de hip-hop Run-DMC apareceu e tocou um set para a equipe, enquanto alguns ainda estavam digerindo a notícia.

    Escola para crianças

    A certa altura, a WeWork também decidiu reinventar a educação infantil e o mercado imobiliário.

    A empresa lançou uma escola primária para crianças da pré-escola até a quarta série no outono de 2018.

    A escola, apelidada de “WeGrow”, era liderada pela esposa de Adam Neumann, Rebekah, e tinha a missão de “liberar os superpoderes de cada ser humano”, dizia a empresa.

    A mensalidade da escola começou em US$ 36.000. Além do currículo tradicional, as crianças também aprendiam ioga, meditação e agricultura.

    A WeWork também lançou um experimento de convivência na cidade de Nova York chamado “WeLive”, que alugava dormitórios essencialmente modernos com muitas comodidades para jovens profissionais.

    A empresa acabou fechando a escola e se desvencilhando de seus empreendimentos habitacionais.

    Papelada pré-IPO: início do fim

    O início do fim talvez remonte à primeira tentativa da WeWork de abrir o capital em 2019.

    A empresa apresentou o seu formulário S-1 (essencialmente um formulário de registo para empresas que pretendem abrir o capital) em agosto de 2019. Seis semanas após o pedido, Neuman foi destituído do cargo de CEO.

    O funcionamento interno da então empresa privada foi revelado naquele formulário S-1. Além de expor perdas maiores do que o esperado e levantar questões importantes sobre o caminho da WeWork para a lucratividade, o arquivamento também trouxe à luz alguns dos agora infames conflitos de interesse com a administração de Neumann.

    Talvez um dos exemplos mais flagrantes disso no formulário tenha sido a revelação de que Neumann e seu sócio fundador registraram uma marca com o uso da palavra “nós” e depois voltaram e cobraram da empresa quase US$ 6 milhões pelo uso comercial do palavra como parte de sua reformulação da marca.

    A era pós-Neumann e a pandemia

    Em um comunicado no início desta semana, Neumann classificou a notícia da falência da WeWork como “decepcionante”. Mas ele expressou esperança no futuro da empresa, mesmo após a falência.

    “Acredito que, com a estratégia e a equipe certas, uma reorganização permitirá que a WeWork emerja com sucesso”, disse ele em comunicado.

    Mas mesmo após a saída de Neumann, tem sido difícil para a WeWork dar a volta por cima.

    Uma das principais razões para isto é que a pandemia de Covid-19 surgiu poucos meses depois de Neumann ter sido expulso da empresa, desferindo um novo golpe inesperado no negócio principal da WeWork, que consiste em reunir pessoas em espaços de coworking.

    E mesmo após anos de pandemia, muitos trabalhadores de escritório habituaram-se ao trabalho remoto e estão a recusar ser convidados a ir para o escritório – deixando um excesso de locais vazios nas principais cidades americanas.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original