Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Voos domésticos atingem patamar pré-pandemia, diz associação

    Nível está 0,9% maior do que o registrado em julho de 2019

    Voos domésticos brasileiros representam 1,9% do mercado global
    Voos domésticos brasileiros representam 1,9% do mercado global 09/01/2022 - Foto: RENATO S. CERQUEIRA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

    Aramis Merki II, do Estadão Conteúdo

    A demanda de voos domésticos no Brasil em julho atingiu os níveis pré-pandêmicos, de acordo com dados divulgados na última quarta-feira (7) pela Associação Internacional de Transportes Aéreos (Iata, na sigla em inglês).

    O nível está 0,9% maior do que o registrado em julho de 2019.

    Na comparação com julho do ano passado, a alta foi de 24,2%. Os voos domésticos brasileiros representam 1,9% do mercado global.

    O aumento de voos internos no Brasil este ano está abaixo do registrado na Austrália (239,7%), no Japão (104%) e na Índia (97,8%), mas acima dos Estados Unidos (que tiveram elevação de apenas 0,7%) e da China, país no qual houve queda de 25,2%.

    Na América Latina, o tráfego das companhias aéreas aumentou 59,2% em julho em relação ao mesmo mês de 2021.

    Em voos internacionais, o avanço anual foi de 119,4% na mesma base de comparação, bem abaixo do registrado na região Ásia-Pacífico (aumento de 528,8%), mas acima da África (84,8%).

    Oferta global

    A oferta global de voos foi 23,6% abaixo de julho pré-covid, em 2019. Em relação ao mesmo mês de 2021, houve crescimento de 37,3%.

    “O desempenho de julho continuou forte, com alguns mercados se aproximando dos níveis pré-covid, mesmo com restrições em partes do mundo que não estavam preparadas para a velocidade com que as pessoas voltaram a viajar”, disse o diretor-geral da Iata, Willie Walsh.

    Globalmente, as reservas indicam tendência de alta em voos domésticos, diz Walsh.

    Já as reservas internacionais perderam impulso diante de dados sazonais, como o fim do verão no Hemisfério Norte.

    As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.