‘King Kong en Asunción’ é o vencedor do Festival de Gramado em 2020

Ganhador é um longa pernambucano, feito por Camilo Cavalvante

Giovanna Bronze, da CNN, em São Paulo
27 de setembro de 2020 às 09:05 | Atualizado 27 de setembro de 2020 às 09:06
‘King Kong en Asunción’ ganhou como melhor longa brasileiro no Festival de Gramado
Foto: Divulgação/Edison Vara/Agência Pressphoto

"King Kong en Asunción" foi escolhido na noite deste sábado (26) como o melhor filme da 48ª edição do Festival de Cinema de Gramado. Mesmo com o distanciamento social, a entrega dos kikitos - os prêmios dados aos ganhadores do festival - animou a noite dos fãs do cinema e do audiovisual.

O grande ganhador é um longa-metragem pernambucano, feito por Camilo Cavalvante. Nesta edição do Festival de Gramado, Pernambuco se consagra novamente como um dos grandes expoentes do cinema brasileiro, ainda mais quando é destacado o sucesso do recente filme Bacurau, ganhador do prêmio do júri de Cannes, em 2019.

Leia também:
Entenda como será a reabertura do setor cultural em São Paulo

"King Kong en Asunción", produção que foi gravada em dois países além do Brasil, levou os kikitos de Melhor Filme, Melhor Ator e Melhor Trilha Musical. O protagonista Andrade Júnior, no entanto, não conseguiu ver o filme concluído ou o reconhecimento de seu trabalho pois morreu em maio de 2019.

“Eu acho que cinema e arte não são corrida de cavalo, que tem o melhor ou o pior", disse o diretor Camilo, ao receber o prêmio. "Todos os filmes que foram apresentados têm o seu valor. Sem a arte a gente não tem como sobreviver ao peso da vida. Seguimos com a vontade de construir um país e uma América Latina mais igual, mais justa e mais afetuosa… A gente está vivendo um momento surreal, de violência e de falta de tolerância do ser humano."

O kikito de Melhor Trilha Musical também foi dado para o filme "Todos os Mortos", que ganhou nas categorias de Melhor Atriz Coadjuvante, pelo trabalho de Alaíde Costa, e Melhor Ator Coadjuvante, para Thomás Aquino.

Já Melhor Direção ficou para o cineasta Ruy Guerra, pelo filme "Aos Pedaços". O documentário sobre a vida do cantor Sidney Magal, "Me Chama Que eu Vou", ganhou o kikito de Melhor Montagem.

O melhor filme estrangeiro premiado pelo Festival de Gramado foi "La Frontera", de Davi Davi, que retrata a história de famílias afetadas pela crise na fronteira entre Colômbia e Venezuela. Melhor Direção de filme estrangeiro foi para Mariana Viñoles por “El gran viaje al país pequeño”, um documentário que acompanhou a trajetória de duas das cinco famílias de refugiados sírios que se mudaram para o Uruguai em 2014.

O Festival de Gramado também tem o costume de reconhecer e enaltecer o cinema local. Por isso, dedica um kikito para as produções gaúchas do audiovisual.

O melhor longa gaúcho escolhido foi "Portuñol", de Thais Fernandes, que aborda diferentes culturas e suas conexões.