Exibição aponta que Napoleão lutou por seu legado antes de morrer no exílio

A mostra conta com mais de 200 itens, incluindo pinturas e objetos pessoais

Michaela Cabrera, da Reuters, em Paris
29 de abril de 2021 às 14:36
Estátua de Napoleão Bonaparte
Estátua de Napoleão em Wimille, na França, em 26/04/2021
Foto: REUTERS/Sarah Meyssonnier

O bicentenário da morte de Napoleão Bonaparte se aproxima e uma exibição no Les Invalides de Paris se debruça sobre sua morte no exílio e seus esforços para salvar seu legado de gênio militar e líder visionário.

Banido pelos britânicos para a Ilha de Santa Helena, no sul do Atlântico, batida pelos ventos e infestada de ratos, Napoleão, cercado de um séquito de confidentes próximos, escreveu seu livro de memórias, de acordo com a historiadora Léa Charliquart, uma das curadoras da exibição "Napoleão se foi".

"Napoleão poderia ter mergulhado no esquecimento. Entretanto, ele usa este período no exílio para escrever sua história", contou Charliquart. "(Ele) se transforma em um mártir. Ele se torna quase santificado."

Napoleão, que morreu em 5 de maio de 1821 aos 51 anos, ainda divide opiniões. Para alguns, ele foi um comandante celebrado que construiu um império vasto e um Estado moderno e centralizado na França. Para outros, foi um tirano despótico que sucumbiu aos britânicos em Waterloo.

Entre os mais de 200 artefatos à mostra está uma pintura a óleo de um Napoleão de rosto acinzentado deitado sobre travesseiros, de olhos fechados, com uma mão no estômago e a espada ao lado.

Desenho baseado em pintura do leito de morte de Napoleão Bonaparte
Foto: Universal History Archive/Getty Images

Também se vê seu leito de morte: uma cama de campanha militar simples de ferro que talvez pretendesse simbolizar que o outrora imperador foi um soldado até o fim.

Quase duas décadas depois, seu corpo foi exumado em um estado de preservação impressionante.

"Este episódio completa a lenda. É como se Napoleão fosse tão poderoso que conseguiu superar a força da natureza", disse Charliquart.