200 famílias foram desalojadas para construção de estádio olímpico

Na maioria das residências viviam moradores idosos

Da CNN Brasil

Ouvir notícia

 

Cerca de 200 famílias, a maioria compostas por idosos, foram desalojadas de suas residências para dar lugar às arenas dos Jogos Olímpicos de Tóquio. O Estádio Olímpico do Japão se tornou um símbolo desta tumultuada Olimpíada que, com a realização em meio à pandemia, está com os espaços vazios, sem a presença de espectadores.

Alguns dos antigos moradores do local receberam o aviso de despejo em 2013, ano em que o Japão foi escolhido para sediar as Olimpíadas de 2020. Há cinco anos, um complexo residencial foi demolido para ser construída a estrutura multimilionária de Tóquio, com capacidade para receber 68 mil pessoas.

Kohei Jinno, antigo morador, conta que já passou pela situação duas vezes em sua vida. Em 1964, a casa onde ele nasceu também foi derrubada para a construção de um estádio olímpico.

Jinno explica que os primeiros Jogos Olímpicos de Tóquio foram realizados durante o período de reconstrução do país após a Segunda Guerra Mundial. “Ficamos felizes em ajudar, mas, desta vez, fomos desalojados, sem compaixão”, lamenta.

Na avaliação dele, era muito cedo para o Japão aceitar ser sede, novamente, dos Jogos Olímpicos.

Morador de Tóquio teve deixar imóvel onde nasceu
Morador de Tóquio teve deixar imóvel onde nasceu para construção do Parque Olímpico (25-07-2021)
Foto: CNN / Reprodução

O Japão está, atualmente, em seu quarto alerta de emergência em decorrência da Covid-19, e a vacinação não consegue acompanhar a alta no número de casos. Uma pesquisa recente mostra que 8 a cada 10 japoneses são contra a realização dos jogos no país. 

Kazunori Takashima, no entanto, é a favor. Ele gastou cerca de US$ 40 mil em entradas para os eventos olímpicos e disse que a crítica é uma “histeria maciça”.

Takashima se considera um superfã das Olimpíadas e esteve em todas as edições desde as Olimpíadas de Inverno de Turim, na Itália, em 2006. Takashima critica a decisão de proibir os espectadores e guarda os 197 ingressos que ele comprou. “Para ser honesto, tudo o que tenho agora é tristeza”, diz.

(Publicado por Thâmara Kaoru)

Mais Recentes da CNN