Grêmio se movimenta na crise do coronavírus, cede estrutura e se une a rival

"O clube tem tradição de compromissos sociais, temos o departamento de responsabilidade social permanente", disse o presidente Romildo Bolzan

Da CNN, em São Paulo
30 de abril de 2020 às 00:03 | Atualizado 30 de abril de 2020 às 00:05

O futebol está parado, mas não o Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense, que está usando de seu tamanho e suas estruturas para ajudar quem precisa durante a pandemia. O clube divulgou campanha de doações de cestas básicas, kits de higiene e álcool gel para os moradores carentes da chamada Comunidade Tri (nos bairros de Farrapos, Humaitá e Navegantes), que fica no entorno da Arena do Grêmio, em Porto Alegre, além de ter cedido o estádio do time feminino, na cidade de Gravataí.

“O Grêmio tem tradição de compromissos sociais, temos o departamento de responsabilidade social permanente, e neste momento estamos estendendo a mão para quem precisa nesse período de flagelo humano que estamos vivendo”, explica o presidente do clube, Romildo Bolzan.

Além das ações no entorno do estádio da equipe, o clube cedeu o estádio do time feminino, na cidade de Gravataí, para abrigar e dar condições de higiene a moradores de rua. “Cedemos o estádio da equipe feminina para a prefeitura de Gravataí abrigar pessoas de rua. Lá eles irão se alimentar, dormir e ter controle sanitário e com avaliações médicas”.

Junto com as medidas internas, o clube uniu forças com o maior rival, o Internacional, para criar a campanha “O Maior Grenal da História”, que busca ajudar a Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, sem deixar de lado a competição.

“Nos unimos ao Internacional em outras oportunidades, e neste momento surgiu a campanha do Maior Grenal da História, para obter recursos para a unidade de tratamento intensivo da santa casa de Porto Alegre, maior hospital filantrópico do Rio Grande do Sul”, afirmou.