Times fazem testagem em jogadores e funcionários para estudar volta aos treinos

No Flamengo, três atletas testaram positivo com a Covid-19 e um funcionário que trabalhava há vinte anos na equipe morreu por conta da doença

Da CNN, em São Paulo
10 de maio de 2020 às 13:03 | Atualizado 10 de maio de 2020 às 13:41

 

 

Todos os campeonatos estaduais e nacionais de futebol foram interrompidos por conta da pandemia do novo coronavírus. As suspensões aconteceram pouco a pouco, e dessa mesma forma gradual ocorrerá a volta dos clubes. Os primeiros times que estão voltando aos treinos são os gaúchos Grêmio e Internacional

Antes da retomada, os times do Rio Grande do Sul adotaram um protocolo rigoroso e, dentre as medidas, fizeram a testagem para a Covid-19 em todos os jogadores, treinadores e funcionários. O diretor executivo do Internacional, Rodrigo Caetano, afirmou que tudo foi planejado e que fizeram simulações, além de terem adquirido os próprios testes.

Na região Sudeste, a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ) deixou a decisão sobre voltar ou não sob responsabilidade dos clubes. O Flamengo, por exemplo, chegou a fazer exames em funcionários e jogadores, e pelo menos três atletas testaram positivo com a doença. Dessa forma, ao invés de retomarem os treinos, os jogadores contaminados ficarão em isolamento. Além disso, o massagista conhecido como “Jorginho”, que há vinte anos trabalhava na equipe, morreu vítima da doença. 

Carlos Augusto Montenegro, dirigente do Botafogo, declarou que não pretende voltar com os treinos por enquanto. “Outro dia me perguntaram: ‘mas se voltarem os jogos, o Botafogo vai jogar?’ Nestas condições, não. Cada ponto perdido vai ser uma vida humana salva”, declarou Montenegro.

Em São Paulo, ao contrário do restante dos estados, a volta dos clubes está prevista para ocorrer de forma simultânea. No entanto, por ser o epicentro da pandemia, a Federação Paulista de Futebol não consegue estipular uma data para a retomada das atividades. O estado de São Paulo registra 44.411 casos confirmados e 3.608 paulistas mortos até sábado (9). 

Caso os campeonatos e amistosos voltem a acontecer em 2020, a ideia é que seja com as arquibancadas vazias, sem a presença dos torcedores.