Japão cogita Olimpíada ‘simplificada’ em 2021, diz governadora de Tóquio

Redução de espectadores e testes obrigatórios de Covid-19 para os atletas estão entre as medidas estudadas

Jack Tarrant, da Reuters
04 de junho de 2020 às 17:39
Anéis olímpicos na sede do Comitê Olímpico Internacional
Anéis olímpicos na sede do Comitê Olímpico Internacional (14.mai.2020)
Foto: Denis Balibouse/Reuters

A governadora de Tóquio, Yuriko Koike, disse nesta quinta-feira (04) que pode ser necessário realizar uma Olimpíada "simplificada" no próximo ano devido ao impacto da pandemia de Covid-19 e que os organizadores já estão discutindo possíveis mudanças.

Os comentários de Koike ocorreram depois que o jornal Yomiuri informou que várias opções, como teste obrigatório de coronavírus e números menores de espectadores, estavam sendo consideradas pelos organizadores.

John Coates, chefe de inspeção do Comitê Olímpico Internacional (COI) para Tóquio 2020, afirmou que os organizadores tinham de planejar o que poderia ser uma Olimpíada "muito diferente" se não houvesse sinais de erradicação da Covid-19.

"A realização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos exige solidariedade e compreensão dos habitantes de Tóquio e do povo japonês", disse Koike a repórteres.

"Para isso, precisamos racionalizar o que precisa ser racionalizado e simplificar o que precisa ser simplificado."

O jornal Yomiuri, citando fontes do governo e do comitê organizador, afirmou que testes obrigatórios de PCR para todos os espectadores - além de atletas e funcionários - e limitar o movimento dentro e fora da vila de atletas estão entre as opções que o Japão discutirá com o COI.

Em um briefing regular, o porta-voz de Tóquio 2020, Masa Takaya, não confirmou os detalhes da reportagem, mas disse que as partes interessadas estavam buscando maneiras de "otimizar e racionalizar o escopo e os níveis de serviço na preparação para os Jogos".

"Nesta fase, ainda não temos resultados concretos, mas queremos continuar com as discussões", disse Takaya.

"A disseminação do novo coronavírus... é algo muito indeterminado e não temos capacidade de entender completamente como será a situação no próximo ano", completou.

O COI e o governo japonês tomaram em março a decisão sem precedentes de adiar os Jogos, que começariam em julho. Um novo adiamento para além de 2021 foi descartado.

O novo coronavírus já infectou mais de 6,4 milhões de pessoas e matou cerca de 380.000 em todo o mundo. O Japão teve cerca de 17.000 infecções e 900 mortes registradas até o momento.