Rodolfo Landim, Rodrigo Caetano e Juliano Belletti falam sobre volta dos jogos

Presidente do Flamengo, diretor-executivo de futebol do Internacional e jogador pentacampeão falaram sobre futebol e pandemia da Covid-19

Da CNN
22 de junho de 2020 às 14:00 | Atualizado 22 de junho de 2020 às 14:03

Em entrevista à CNN, nesta segunda-feira (22), o presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, o diretor-executivo de futebol do Internacional, Rodrigo Caetano, e Juliano Belletti, embaixador do Barcelona e ex-jogador pentacampeão mundial pela Seleção Brasileira, falaram sobre a controversa volta dos jogos dos campeonatos estaduais em meio à pandemia da Covid-19.

Primeiro a falar, o executivo do Inter disse que o time entrou na oitava semana de treinamento com rígidos protocolos de segurança e afirmou que o entendimento do clube é que "o futebol é uma atividade econômica também". 

Leia também:

Mundo ultrapassa marca de 8 milhões de casos de Covid-19, diz universidadeTênis: após festa com Djokovic e jogos, Dimitrov está com novo coronavírus
Oito atletas e cinco funcionários do Corinthians testam positivo para Covid-19

 

Caetano considerou que o clube já está capacitado para a retomada dos jogos e que isso ajudará "a ampliar o número de pessoas testadas". "No nosso entendimento, a gente segue colaborando com o controle daqueles que estão envolvidos no treinamento e no evento", acrescentou.

"A gente começou a testar todos os jogadores e cerca de 18% das pessoas estavam infectadas. O que notamos é que tínhamos nove jogadores que estavam infectados e começamos a isolar todos que estavam com o vírus, além de começar a monitorar diariamente todos eles. Para terem uma ideia, desde então, nenhum jogador foi infectado. O importante é você testar e isolar as pessoas", acrescentou ele.

Pelo Flamengo, Rodolfo Landim afirmou que já planejava a volta desde o início da paralisação e que os técnicos já vinham conversando com pessoas da área na Europa para entender como foi a retomada naquele continente. "Acho que a gente deu um passo à frente nesse processo. Convidamos outros clubes para participar dessa discussão - com a presença de vários infectologistas, imunologistas e todos os médicos dos clubes", detalhou.

O presidente do time carioca disse acreditar que criou-se "um protocolo muito seguro". Landim disse concordar com Caetano sobre os clubes estarem "prestando um serviço para a sociedade" quando, segundo ele, testam, identificam e informam autoridades sanitárias.

Landim argumentou que os jogadores "são atletas de alto desempenho e que precisam voltar a treinar, pois precisam do corpo deles para poder jogar".

O ex-jogador Belletti também defendeu a retomada em meio à pandemia. Ele afirmou que o futebol "é uma válvula de escape e um refúgio" para a sociedade "em busca de alegria em momentos tristes e complicados".

Ele classificou como "muito complicado" que um atleta fique muito tempo afastado dos treinos, pois isso afeta a forma física e a capacidade técnica. "A gente precisa de contato com a bola praticamente todos os dias para se chegar a um nível de excelência adequado para a exigência do futebol. Tanto tempo fora é muito complicado".

"Estamos de acordo com voltar aos treinamentos respeitando um protocolo. Acho que tem que ser passo a passo. Se existe a possibilidade de se voltar os jogos com protocolos específicos de distanciamento social e testes, o futebol deveria servir de exemplo para as demais nichos da sociedade", disse Belletti.