'É triste para nós brasileiros', diz Barrichello sobre cancelamento do GP Brasil

Piloto, que venceu neste domingo (26) uma das provas de Goiânia da Stock Car, diz que Interlagos vai receber corrida da categoria em agosto 

Bruno Oliveira, Gabriel Passeri e Vital Neto, da CNN, em São Paulo
26 de julho de 2020 às 17:16 | Atualizado 26 de julho de 2020 às 19:59

Velocidade, adrenalina e emoção: essas palavras permaneceram ausentes no dicionário dos fãs do automobilismo durante a pandemia do novo coronavírus. Em entrevista à CNN, o piloto Rubens Barrichello lamentou a ausência do Grande Prêmio de Interlagos na atual temporada da Fórmula 1.

"Interlagos fará muita falta para muitos deles [pilotos]. É uma das corridas mais interessantes que a gente tem no calendário. Muitas ultrapassagens, guerra de estratégia. Você nunca sabe muito como vai ser a prova". Recordista em participações em Grandes Prêmios, com mais de 300 disputados, Rubinho ainda enaltece a competitividade da prova. "Não é só a Mercedes que domina". 

Leia também:

F1 cancela corrida no Brasil em razão da pandemia de Covid-19

'Temos que nos adequar', diz Nelsinho Piquet sobre cancelamento do GP Brasil

Desde 1972, o Brasil recebe a Fórmula 1. O último ano em que a cidade de São Paulo não recebeu uma etapa do mais importante campeonato de automobilismo do mundo foi 1989, quando a corrida foi disputada no Rio de Janeiro, no circuito de Jacarepaguá. O avanço da Covid-19 também fez as provas dos Estados Unidos, México e Canadá serem canceladas.

“Após discussões contínuas e estreita colaboração com nossos parceiros, também podemos confirmar que, devido à natureza fluida da pandemia contínua de Covid-19, às restrições locais e à importância de manter as comunidades e nossos colegas em segurança, não será possível competir no Brasil, EUA, México e Canadá nesta temporada”, afirmou a categoria na última sexta-feira (24), em comunicado.

É também a primeira vez nos 70 anos da categoria que o continente americano não terá uma etapa. Por outro lado, serão adicionadas ao calendário pelo menos mais três corridas na Europa, nos circuitos de Nürburgring (Alemanha), em 11 de outubro, Portimão (também chamado de Autódromo de Algarve, em Portugal), em 25 de outubro e Ímola (Itália), em 1º de novembro — circuito onde Ayrton Senna sofreu o acidente fatal em maio de 1994. 

Barrichello prevê novos ares para o automobilismo e para a sociedade no pós-pandemia. "Espero que em 2021 a gente possa voltar com força total, que prova de Fórmula 1 volte ao Brasil e quem sabe a gente já não volte com pilotos brasileiros, que era uma dor também nesses dois últimos anos". 

Vitória em Goiânia 

Apesar do cancelamento do GP Brasil de F1, o autódromo de Interlagos deve receber provas de automobilismo em pouco tempo. "Nossa Etapa do Milhão [da Stock Car] deve ser em Interlagos em 23 de agosto".  

Neste domingo (26), a cidade de Goiânia sediou a primeira corrida da Stock Car em 2020, prevista para ocorrer em 29 março, com diversos protocolos de segurança. "Regras bem rígidas, mas que no momento são necessárias", disse Rubinho. Piloto da Stock desde 2012, ele diz se sentir seguro pelos protocolos de segurança implementados pela organização, com testagem frequente e medição de temperatura.  

Barrichello venceu a corrida 2 da etapa do domingo, prova que marcou a estreia da temporada 2020 da categoria após quatro meses de atraso em função da pandemia da Covid-19. A corrida 1 foi vencida por Ricardo Zonta, outro ex-F1. 

A prova vencida por Rubinho, com grid invertido, teve uma intensa disputa pela liderança entre os companheiros de equipe, Barrichello e Nelson Piquet Jr. (também ex-F1), que terminou em segundo.   

"Ganhar em Goiânia tem um valor enorme, é indescritível. Foi um fim de semana de muita alegria, estar de volta, apesar de não ter o público. Estou feliz em começar a temporada deste jeito. Será um ano bom e era importante começar assim; parabéns à Toyota por todo trabalho que fizeram até aqui", comemorou Barrichello em entrevista pós-corrida.