Pelé: Dadá Maravilha relembra bastidores e as sonecas pré-jogo do rei

Apesar da reverência ao rei, Dadá disse que nos confrontos contra o Santos de Pelé, conseguiu “bagunçar” e não ficar para trás nas disputas

Da CNN, em São Paulo
23 de outubro de 2020 às 21:58 | Atualizado 23 de outubro de 2020 às 23:17

 

80 anos do maior jogador de futebol de todos os tempos. Se depois dele surgiram outros postulantes a maior da história, a régua de comparação foi sempre a mesma: Pelé. Para comemorar oito décadas do rei, a CNN entrevistou, nesta sexta-feira (23), Dadá Maravilha, companheiro de Pelé na Copa de Mundo de 1970 e um dos maiores atacantes da história do futebol brasileiro.

Durante a conversa, Dadá lembrou de bastidores da convivência com o rei e de um hábito pré-jogo incomum do eterno camisa 10 da seleção brasileira.

“Pelé tirava uma soneca antes dos jogos, nós respeitávamos e falávamos ‘silêncio, o rei está dormindo’. A gente respeitava porque quando ele acordava ele garantia o ‘bicho’ para gente.”

Leia também

Juca Kfouri no aniversário de 80 anos de Pelé: 'Deus do futebol'

Pelé considera que seu dom para o futebol é um 'presente divino', diz biógrafo

Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, na Copa do Mundo de 1970
Foto: Divulgação / Fifa

Dadá costumava dizer que só há três coisas que param no ar: “beija-flor, helicóptero e Dadá Maravilha”, devido a sua ótima técnica de cabeceio. Questionado sobre quem cabeceava melhor, Maravilha prestou homenagem ao rei.

“Cabeceando, Pelé é nota 10 e Dadá é nota 9,999.”

Apesar da reverência ao rei, Dadá disse que, nos confrontos contra o Santos de Pelé, conseguiu “bagunçar” e não ficar para trás nas disputas.

“Era ruim enfrentar o Pelé, o negão era arrasador. Mas também dei muita sorte contra o Santos do Pelé e consegui bagunçar bastante.”